The Lair of Seth-Hades: Fevereiro 2010
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

sábado, 27 de fevereiro de 2010

PÃO

 
PÃO

Nem só de pão vive o homem
Como que criado em suplício
Dor e vazio se lhe consomem
Luta severa e sem armistício

Se por tal fome se lhe tomem
De cujo saciar não há indício
O que se denomina o homem
É o que se o define de início

E arde em ânsia e em desejo
Por tudo o quanto lhe rodeie
E de paz em si não há ensejo
Nem bálsamo que a isto freie

Vazio e eterna busca residem
No que é mais seu, a natureza,
Sem que se possa dizer ilidem
A porção de sua torpe baixeza

E se na criação quis ser idem
Ao Ente que lhe cedeu beleza
Marcou para que a si lapidem
As criaturas e por tal sutileza

Um querer que não se ofusca
É como segue o ente humano
Que tudo quer e a tudo busca              
Na proporção de um oceano

Francisco de Sousa Vieira Filho

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 25.

ARTE: erooups.com/img/img2/20091230/erotic/daily_erotic_picdump_171_48.jpg

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

POEMETOS DA HORA DERRADEIRA


 
EQUILÍBRIO

Sob a égide do medo,
Se deixa de viver;
Quem vive sem prudência,
Por certo,
[igual pecado]
Logo há de fenecer.
Equilíbrio delicado
Desperto
Como se tal ciência
Revelasse o que há de ser.

Francisco de Sousa Vieira Filho.
--------------------------------------------------------------
REDENÇÃO

A aceitação do erro,
Da falibilidade humana,
É o que nos absolve...
Cativeiro semicerro
Que aos incautos engana,
Quando então nos volve,
É a santidade distante,
O irrealizável guante
Imposto por não-santos,
[Como nós]
A despeito sejam tantos,
[Também sós!]
O que mais ainda lhes condena
E só lhes assoma a pena.

Francisco de Sousa Vieira Filho.


--------------------------------------------------------------


ARTE: http://data.tumblr.com/0ZEBnoQrc67dkc24ZvySUokC_400.jpg

O SEGREDO DO ABISMO



O SEGREDO DO ABISMO 

Num furor de mil ondas hei cismado 
E pelas vagas seguirei inconformado, 
Negando-me até o menor linimento, 
Se me oculta o rumo, o firmamento. 

Se é amando que se aprende a amar, 
Tão certo quanto a amplidão do mar, 
Se é vivendo que se aprende a viver, 
Que por certo é imprescindível crer. 

Contra toda a imprecação e truísmo 
Preciso se faz beirar o tredo abismo 
E saber menos dista o distante cume 
De um tal lugar, sem qualquer lume 

E se um triste evento nos faça quedar 
Num tal buraco que não tenha fundo 
Que se saiba ser inútil se desesperar 
Que isto não é nunca o fim do mundo

Francisco de Sousa Vieira Filho

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p.11..

ARTE: http://ffffound.com/image/4450621254ba1acbeb576053d693a2e4f87547b0?c=4913620

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

VENDETTA




VENDETTA 
(a Felicidade de Goethe e a dor de Ihering)

                   I 
Não chores por ter sido tu 
Por outrem, calcado aos pés 
Outro dia ainda nasceste nu 
E isso não te foi por revés 

Se te tiram hoje tudo o que tens 
Os que julgam fazer-te o mal 
Não angariam sequer vinténs 
Do maior bem celestial

Mal maior a si mesmos fazem 
Lutando por tesouros desta terra 
E bem longe do Tesouro jazem

De nada adianta toda luta e toda guerra 
Se em todo mal que perfazem 
Tamanha tristeza encerra 

                          II 
É com o esvoaçar das pétalas da rosa 
Que se percebe ali todos os males 
Não estando enxertos na fibra aquosa 
De que nos falava um certo Tales 

O mal revela suma ignorância 
Sendo a vida a doce infância 
Desses seres de essência imortal 
Encerrada num corpo simial 

Desperta, ó criança, sem temor: 
Nasceste pra saber que um dia perderás 
Tudo a que nesta vida te apegas e dás valor 

Morreste pra saber que vives em fulgor 
E o Tesouro da Verdade cultivarás 
Sem de novo sentir fome, frio ou dor

Francisco de Sousa Vieira Filho

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p.17 e 18.

ARTE: http://fc02.deviantart.net/fs71/f/2010/022/a/4/V_For_Vendetta_by_Animixter.jpg 

PLURISSIGNIFICAÇÕES PLURISSIGNIFICANTES

 

PLURISSIGNIFICAÇÕES 
PLURISSIGNIFICANTES 
                                         
                                              A Ludwig Wittgenstein

Eco de palavras mudas à parede contíngua 
Faz escorrer nos escombros destes cinzéis 
O que pareceria seja morta a muda língua 
No borbulhar de tinta bruta, os mil pincéis 

Fazem flua fácil a textura deste texto ágil 
De uns cem mil signos plurissignificantes 
Num entorno louco de verborragia frágil 
E já nem se diga o que é que fora dantes 

Se no rutilar de madrepérola que melíflua 
Molda em pedra o cárcere pedregoso chão 
E faz com que do espelho na parede eflua  
De tais palavras, inda que a menor noção

Francisco de Sousa Vieira Filho


FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p.69.

ARTE: Darkrose42 - http://darkrose42.deviantart.com/art/True-colors-133687586

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

ESPELHO




ESPELHO

Não é com desdenhoso pouco espanto
Que se constata a distorção do espaço
Raro se desfigurar o rosto a cada passo
Subcutâneo nervo, alma e cada canto

A constatar com que natural desvelo
Náusea, ânsia, choque, fúria e pesadelo
De chofre, é que nos mostram o quanto
Em frágil e débil andor de barro, o santo

Na abissal ignorância é que se compraz
Infantil joguete de um infértil nomos
Fruto do quanto o ego dominus loquaz

Faz diversa a tosca imagem do que somos
Que se brada a altivez do espelho canho
Se refestela’lma na putridão de antanho

Francisco de Sousa Vieira Filho

*  "Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido." (I Coríntios 13:12)
** "Ver Tambem: SOBRE TENDENCIOSIDADE - http://dialogospoeticosimello.blogspot.com/2010/02/sobre-tendenciosidade.html


FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 07.

ARTE 1: Capa do CD - Imaginations from The Other Side, da banda Alemã Blind Guardian

ARTE 2: Luiz Royo

O PROFETA




O PROFETA
                                             A Goethe

Cabelos esvoaçantes feito sarças
Espalhado, como elas, pelo vento
Está ele a todo tempo pelas praças
Apregoando e sempre o bom alento

E impostando a voz que o nó desata
Dos tormentos e das dores e das chagas
Os pobres e os humildes vindo à cata
Ele chama pra bem longe dessas pragas

Sabendo que pra esse fim nasceu de novo
Com a Verdade com que foi presenteado
É com Ela que há de ser também seu povo

Pras dores desta lida tem sido amortizado
Pois como é para a ave, a casca do ovo,
O sofrimento é para o sábio aprendizado

Francisco de Sousa Vieira Filho 

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 19.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

RESSUSCITANDO OS INAUDITOS

MEIO ASSIM...

Me sinto meio assim
Quando te dói em mim
Que sou teu meio-tudo
Se fico meio-mudo,
Tu falas por mim
Que sou teu meio-pai
E teu meio-amigo
Um meio teu irmão
E também inteiro-amante
Teu servo, meio-cão
Aonde for te sigo
E nesse meio estou
Um meio que teu filho
Por fim, se nessa arte
Exato meio eu sou
És tu aquela parte
Daquilo que me vou

Francisco de Sousa Vieira Filho


DESEJOS

Só um desejo oculto por vez
É que se revela
Por menor o toque, em tua tez
Tão alva e bela
O de querer te abrir a mente
Ou te escancarar as pernas
De um ou outro se pressente:
No negrume de cavernas,
Um se aterra e se oculta;
No alçar vôo e içar velas,
Outro assoma e avulta;
Por ambos
Em ti mergulho
Descambos
De meu orgulho
Um é sol
E o outro é lua
O crisol
E a fome tua
Se um vem, o outro se ia
Também morre e o outro vai
Mata a fome e se sacia
Estertor de um simples ai
De quem assim sente
E a si sente
Em eterno ciclo
E constantemente
E se em ti florir
Eu quereria
Florir-te-ei
Florir-te-ia

Francisco de Sousa Vieira Filho

CORPUS CIRCENSIS

Para o amor, eu hei perdido o tato.
Que na peça da vida então me resta,
Se é só o encenar de um simples ato?
Deixar de a tudo antever pela fresta
É como melhor posso resumir o fato.
Se me basta, só, o ardor das meninas,
Adejo pra bem longe todo o fino trato
E me atraco feroz em suas ancas ferinas.

Francisco de Sousa Vieira Filho


ÂNSIA
Fome de ti
Sede de ti
Brilham no olhar
Dançam nas lágrimas
Escorrem nas páginas
E mesmo antes
De o solo tocar
Morrem
Ainda no ar

Francisco de Sousa Vieira Filho


ÚLTIMO LANCE

Lancei na tela cinza destes dias
Antes fosse fúria, antes desespero
Tão fartas cores e com tal esmero
O que pensei que só tu poderias
E a divisar sob essa leve cortina,
O que pra bem longe dessa sina
Quero espraiar tudo o que de bom
E fazer ecoar minha voz, o som
E o que de mais puro e belo há
Em mim, em ti se faça o atiçar
Como se um talhe do teu beijo
Aquele derradeiro, que deixou
Rasgue novamente o que ficou

Francisco de Sousa Vieira Filho


DIRETA

Ah, se essa dor de não te ter
Transladasse o espesso vão que há
Entre a vontade e o agir, a se fazer
Como se coisa real em seu lugar
A mais do que com os olhos entreter
[Tocar, cheirar, beijar, morder]
Pusesse então diante a me mostrar
O fulgor que habita neles, bem-querer
Estrangulando esse desejo de sumir
E em si fazendo novo o velho ar
Viria a uma vez mais te consumir
O que persiste em mim, a ti arder
Vontade de assim poder te amar
E só então nos poderemos possuir

Francisco de Sousa Vieira Filho


FOSSO


De explorar a geografia branca
Algo recurva de teu dorso
E nas tênues covas de tua anca
Demorar-me, resoluto
E tal seja o esforço
Sei que sentes
Quanto luto
Se entre dentes
Com uma rosa afagar-te
O rosto
É a ânsia de assim amar-te
Qual um corso
Porque amar
Ah... amar é fosso!

Francisco de Sousa Vieira Filho


SENTIDO

Das metas tuas, só metades
Se a ti eu peço: traga tudo
É que, por certo, eu trago tudo
Em borrifadas muito fartas
De nuvens extáticas de sonhos
E em longos e massivos haustos
Seguimos desatinando os nós
E por fim desafogamos sós
Dos temores mais medonhos
E assim se vai
A vida

Francisco de Sousa Vieira Filho


BRASÃO


A solidão ardente prega peças
Intensifica sentimentos poucos
Cria outros sentimentos tantos
Engana, mente e faz pareças
Vagar a esmo pelos cantos

Francisco de Sousa Vieira Filho

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

A DANÇA DO UNIVERSO




A DANÇA DO UNIVERSO

No limiar maior da razão se alcança
A percepção de inaudível melodia
Ao sabor da qual o universo dança
Desde aquele seu primeiro dia

Da mítica figura divina hindu
Delineia-se, então, o corpo nu
Na silhueta metafórica de Shiva
A intuição de toda estrutura viva

E nesse ensejo da Razão que luzia
Brota no entrechoque de átomos
A semente da mais intensa harmonia

Relembram-nos, assim, o que fomos
As mãos de Deus, em tão bela melodia
Imersas, a escrever primeiros tomos

Francisco de Sousa Vieira Filho

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 21.

ARTE: Luke Brown - Mantis Dakini

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

ERMO - ÉDEN PERDIDO




ERMO – ÉDEN PERDIDO

Palmilhar é o que arde ao peito do andejo,
Que sob lua enigmática nos céus reinante,
Num murmúrio derradeiro, é seu lampejo,
Qual se lhe falasse voz profética, sibilante.

É que lhe sussurra num silêncio benfazejo
A muda voz que dum coração retumbante
Lhe grita n’alma seu mais pungente desejo
O de persistir e caminhar a todo instante.

E abafa um resmungo mudo, inútil arpejo,
Sonhando se lhe restaure o status quo ante,
Mesmo se lhe dobrem os joelhos, arquejo,
Insiste só querer dali partir se triunfante.

E intenta em vão prosseguir ante o bodejo
Dessa estranha e muda voz que tão falante
Prossegue a lhe tanger à força, murmurejo
De como bem se vive a vida, ó caminhante:

Se de cada espinho em flor sinta o dardejo
E se te perfurem as pedras em dor ululante
O que se te parece ser caminho malfazejo
É o que te fará de novo puro qual infante

Que pra bem longe deste humilde lugarejo
Longa paz que se te haverá, amigo-errante.
Tu verás que bem mais há, pobre cabanejo,
Ao se te restaurar aquilo que já fora dantes.

Francisco de Sousa Vieira Filho

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 9.

ARTE:Fire Bird - http://artisalma.deviantart.com

'Haicai' - filho único



'E a quem queira definir a poesia
Tanto mais se afasta
Tanto mais se distancia'

Francisco de Sousa Vieira Filho


Post-scriptum: lembrando cá uma passagem de Kahlil Gibran em que questionava o que teria sido do primeiro poeta ao largar o arco e divisar a beleza de um nascer ou pôr-do-sol e tentar explicar [com palavras] isso [que sentia] para seus companheiros de armas [quase todos guerreiros rudes e via de regra insensíveis]... provável daí tenha surgido a figura do skäld nórdico, uma espécie de guerreiro-bardo...

Post-scriptum II: na versão do Henrique Pimenta:

'Quem quer definir a poesia?
Quanto mais se aproxima
tanto mais se distancia'.

Show de bola!..

DE QUERER A DOR INTEIRA


 
DE QUERER A DOR INTEIRA - I

Bem antes que me tomem masoquista
Apelo vejam o quanto a dor benquista
É que desnuda a alma, as roupas rotas
E tanto mais não venha a conta-gotas

E é bem por isso que digo 'quero a dor'
E se a quero, quero-a toda e ela inteira
Que nem de longe escapa a seu horror
Quem só dela foge sem eira nem beira

E tanto melhor que dela se prove tudo
Sendo de uma vez só, eu não me iludo
É ter o seu fulgor a embriagar na veia
Que tão menos prolongada faz sua teia

Francisco de Sousa Vieira Filho

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 32.


ARTE:: unknown

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

EVOLUÇÃO


 
EVOLUÇÃO

Em berço pétreo é a semente nua
Da luz, nos céus acima, desejosa
Qual o homem que por vez intua
A espinhosa trilha ser formosa

Indiferente de saber a senda sua
E displicente ao quanto tortuosa
Aquela que amanhã ele conclua
Ou que lhe advenha tormentosa

Pois que talvez sede inda possua
Ao ver da trilha finda, a maviosa
E a dor que da alma quer se exclua
Não tarda arder ao peito sequiosa

E jaz na insatisfação de todo sua
A eterna humana busca, honrosa
Sonha, crê e quer que se conclua
A sua jornada eterna e vagarosa

E a semente que repousa na fruta
Qual no homem átomo ao arcanjo
Quer tão logo renascer-se arguta
A natureza refazer o novo arranjo

Francisco de Sousa Vieira Filho



FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500.p. 8.


ARTE: Luiz Royo

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

VISUM ET REPERTUM




VISUM ET REPERTUM*

“Only the good die young
All the evil seem to live forever.”

Se de fato o que mede um homem
É a coerência entre o que pensa e fala
Antes que numa cruz se te tomem...
De bom grado eu te aconselho: cala!

E se por certo a ocorrência é rara
É que no ébrio louco se consomem
Santos homens que só vivem para
Coisas que em nós rareiam, somem

É que nos falta a precisa medida
De ousar ser chamado louco
Para bem viver a vida

E ainda que seja breve a partida
Tão cara virtude é pouco
Em tão honrosa lida

Francisco de Sousa Vieira Filho


FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500.p. 13.


ARTE: Félix da Silva - http://felixdasilva.deviantart.com/art/Madre-Teresa-17344559


* Visum et repertum = ver e repetir

SANTO


 
SANTO

Ao pesar da armadura ele cai, genuflexo,
Sendo tal esta carga que o dorso lhe verga
E se toca o alforje, derradeiro o reflexo,
Pensa só no tesouro que a alma lhe alberga

Despe a casca, dura matter que enverga
Finca a espada, quase parte do plexo
Mãos ao cajado, o caminho não posterga
E à imensidão é que oferece um amplexo

Partido o escudo e sua lâmina fendida
Pra cura de suas dores, não tarda a ida
Do que lhe pulsou n’alma, agudo dardo

Uma fuga dos horrores, tal fora o fardo
E qual extrema-unção, bálsamo à ferida
Penitente é que prossegue em sua lida

Francisco de Sousa Vieira Filho

ARTE: Gimenez

domingo, 14 de fevereiro de 2010

BRINCADEIRA DE CARNAVAL




BRINCADEIRA DE CARNAVAL

Se redescobre, enfim, o que procuro
Em teu incerto, assim, cima-do-muro
A boca ardente que ora me faz bardo
E o teu sorriso quente, acúleo dardo

Seja o tesouro, ao fim, tua pele rubra
Em tal fulgor, por fim, te redescubra
O suave arrepio que te fibrila ao seio
Ao menor toque e o mais leve meneio

No bom volteio, afim, teu corpo rubro
O vai-e-vem, de mim, com que te desço
Vendo teu corpo, em mim, eu emudeço

E com o suor marfim, com que te cubro
Embebido amor, de que não me esqueço
É que, em teu colo ardente, eu desfaleço

Francisco de Sousa Vieira Filho

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Parâmetro Ético



Parâmetro Ético

(Mais um ao velho estilo auto-ajuda... pra não perder a cava inferior da inspiração...)

Outro dia, li uma frase de Lao Tsé que me chamou muito a atenção: "Para alcançar conhecimento, adicione coisas todo dia. Para alcançar sabedoria, elimine coisas todo dia." Conhecimento seria, pois, um adicionar de informações novas. Sabedoria, por sua vez, seria um livrar-se de vícios antigos. E neste diapasão, buscamos compreender o que é certo e o que é errado, o que é moralmente correto e o que não é, o que é vício e o que é virtude.

Ora, em linhas gerais, poderíamos dizer que Ética seja a Ciência da Moral. Mas isto não responde a questão apenas a transfere. Não sabendo o que é Ética, dizemos que é a Ciência que estuda a Moral, a qual também é coisa que não sabemos. Usamos o mesmo termo para representar diversas idéias. Dizemos: "fulano tem moral", quando alguém se faz prevalecer diante dos outros. Ou dizemos "beltrano é imoral", quando outro alguém atenta ao pudor e aos bons costumes, condutas exigíveis no seio da sociedade, sendo que - pode muito bem ser - que outros, mais pudicos e puritanos, coisas piores façam no reduto de seus lares, contudo, não seriam taxados de imorais como o nosso beltrano, que o fez em público. Lembro-me de uma passagem da bíblia em que Jesus criticava os fariseus e os hipócritas que eram como "sepulcros caiados", belos túmulos que hoje em dia seriam adornados de mármore com letras douradas, belos por fora, "mas com toda a sorte de podridão e carniça por dentro." A moral defendida por Jesus não era a moral da conveniência, a moral social, ou a moral do momento, mas parecia estabelecer um parâmetro mais sólido para o conceito, algo que poderíamos chamar A MORAL! Há um sentido peculiar nisso. Se Ética se pressupõe seja a ciência que estuda a moral em suas mais diversas dimensões, que o faça também em relação àquela dimensão plena, que eventualmente abrace todos os casos possíveis e imagináveis. Uma MORAL ABSOLUTA?! (Divina?!) Certamente.

Ao que parece a verdadeira moral e portanto a verdadeira ética que sobre ela se debruça e se propõe estudar, é aquela que pressupõe além da casca exterior, além do mero agir externo, além da prática exterior, a mudança interior, o progredir intimamente. E isto se aplica em todas as áreas. Não há isso de "em casa assim, no trabalho assado". Podemos usar máscaras e querermos enganar o mundo exterior nos fingindo sermos de tal ou qual modo, mas nunca conseguiremos fugir do julgamento inexorável que vem de dentro, de nós mesmos, de nossa consciência: eis o que penso seja a moral verdadeira, e portanto, aquela a que a Ética deva estudar.

Baseado em tudo aquilo que discutimos acima sobre o que seria Ética, temos que falta de ética seria enganar-se - o auto-engano, para usar o termo de Eduardo Giannetti. Seria falta de ética toda e qualquer conduta no sentido de fingir ser quem não se é, usar máscaras ao invés de mostrar o real, claro e límpido. Exercício diário, sobremaneira difícil, é fato. Mas passível de ser aplicado em toda e qualquer profissão. Há que se compreender que, no trato com o ser humano, é mais cativante o que é verdadeiro, o que é transparente, não que isso não vá gerar inveja, perseguições, inimizades. Cristo mesmo não foi perseguido justo por isto?! Pois então?! Que queremos nós, pequeninos, senão tomando nossa enxada em mãos e titubeando em seguir - vacilantes - os seus passos, senão que nos persigam também, guardadas as devidas proporções?! Se semelhante atrai semelhante, sendo éticos (no real e mais preciso sentido da palavra) reuniremos ao nosso redor pessoas que ousaram deixar cair as máscaras, assumir seus vícios, e que lutaram por se tornarem melhores. Já vimos que conhecimento seria um adicionar de informações novas, ao passo que sabedoria seria um livrar-se de vícios antigos. Então aí está o ponto. Falta de ética é não lutar contra os vícios e conformar-se com as máscaras. Ousadia?! Loucura?! Jesus, Gandhi, Madre Teresa, entre outros mais, assim também foram chamados. E tanto perdure a real loucura do mundo, muitos mais que larguem as máscaras de dor do passado serão chamados demasiado ousado e loucos de todo o gênero. Assim foi um Gandhi, assim um Buda, assim um Krisna, assim um Jesus... Como falei, somos pequeninos, e - alguém pensaria - quem somos nós para nos queremos assemelhar a Jesus... porém, ele mesmo nos mandou sequer mirarmos nele, mas no Pai que está nos Céus... "Por que me chamais bom se um só Bom há que é o Pai que está nos céus?!" (...) "Sede perfeitos como o Pai". Assim, se queremos progredir um pouquinho que seja, miremos no mais alto ponto: miremos no céu! Trazendo isto, para o nosso cotidiano, se se quer ser melhor no que se faz, espelhemos os melhores profissionais de nossa área, doutro modo, mirando baixo, sequer subiremos o mínimo degrau que imaginamos galgar. Assim, falta de ética é não ousar lutar pela perfeição interior, que fatalmente modifica o exterior. Já diriam as Escrituras: "a salvação não vem pelas obras para que ninguém se vanglorie" mas "a fé sem obras é morta".

Francisco de Sousa Vieira Filho