The Lair of Seth-Hades: 2012
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

sábado, 19 de maio de 2012

VOZ.E.FERA SETE.CISMO



VOZ.E.FERA
SETE.CISMO

É a bomba que dá azo ao iso
Rasga céus com o seu uivo em queda
No dual, que torna o caos preciso
A findar o que já se degreda
Sem planar que, com seu voo, medra
O que trás com seu labor conciso
De agourar, teu coração de pedra
Toda ordem pôr em sobreaviso
Nesse esforço já não mais contido
De partir o que já dividido
Conteúdo que, contudo, pesa
Uma fria voz como que reza
E professa o que já não tivera
‘Desconstrói-se pra construir
Pra erguer, tem de algo ruir’
Não daria mais do que se altera
Tolo algoz que se desfaz, quimera
Por perder que já não mais, quisera...
Já não sei se lhe apraz só isso
Renascer só por ter sido omisso
Ação em que se fez titeriteiro
Que se ri ao ver no olho doutro argueiro
Se no alheio o que lhe insiste e pesa
É exato o que em seu mesmo lesa

Francisco de Sousa Vieira Filho

DESENHO: William Blake

terça-feira, 8 de maio de 2012

SI-LENTE PARA O AMANHÃ OU AUTRE TEMPS


SI-LENTE
PARA O AMANHÃ
OU
AUTRE TEMPS

Na cronologia
Do cretáceo,
Secreta
Segredos
Tão seus.
Vitimado
Por quebrantos
E encantos
Como.é.teu
O cúmulo
De acumular
O que viveu;
Abarrotar
Folhas
Rasuradas,
Indeléveis
E pulsantes
Nas gavetas.
Não as digeria,
Nem as queimava;
Não se dava
Pautas brancas
E vazias.
Trazia, vivas,
Anjas nuas,
Lépidas e lascivas,
A lhe morderem
O peito,
Por dentro;
E a girar
Anti-horário
Esmerilhando
O conta-giros
Dos dias,
Faziam-no rever
E reviver
Cada gota
De dor
Partilhada
E partida.
E, sabia,
As traria
Impecáveis, ali.
Elas,
Cada uma
Delas todas.
Talvez
Pra sempre;
Talvez
Por uma vida
Inteira;
Talvez mais;
Talvez...
É que o pior, sabia,
Não é o que morre
Quando tudo acaba
É o que fica vivo
Por dentro
Quando tudo
Acaba ou morre.

Francisco de Sousa Vieira Filho.
IMAGEM: BLOG 28