The Lair of Seth-Hades: 2011
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

MADRUGADA DE ESTÔMAGO


MADRUGADA DE ESTÔMAGO


Pra aquecer, ou esquecer, com tal pujança
Te enlouquecer, a embeber, em álcool anidro
E enxamear, na fina teia, em que se trança
Algo do teu, e também meu, teto de vidro
Quis desbancar esse teu ar, diz.esperança
Ao te querer, com.sumo.ir que te consome
No fim das contas, tudo se resume à fome

Francisco de Sousa Vieira Filho

FOTO:  http://www.zupi.com.br

sábado, 20 de agosto de 2011

LA BELLA LUNA

LA BELLA LUNA

[Sim, tu]a
Tez nua
Tanto fez
A vez
Em mim
Que branca
Brinca
E sua
A minha
Na tua,
Ó Lua

Francisco de Sousa Vieira Filho
imagem: 01qQQyOI3ds_large.jpg

sexta-feira, 24 de junho de 2011

EM.TÁ,LHE.ANDO & LEVIATÃ


EM.TÁ,LHE.ANDO

                       
Para a amiga Zélia Guardiano,
pela amizade, o estilo ímpar e a inegável inspiração
Entalhe
A fenda
Em uva
Defenda
O talhe
À vulva
Detalhe
Penda
A chuva
Te calhe
Emenda
À Luva
Se Falhe
A Lenda
Turva
Farfalhe
A senda
Em curva

Francisco de Sousa Vieira Filho
------------------------------------
LEVIATÃ

Diz.com.nexo se.te.ando ou parte.se.par...
Que esta.ação de parte.ida te é.de.ficar
Ao tatear as frontes baixas na multidão
Esgarça-me os becos mudos da solidão
Como tentasse segredar flor em deserto
Questionar se me disto ou se estou perto
E há salto na alma, como se fosse fácil
Autor.ía, já não vai, como se fosse fóssil
‘Sem’.tem.cio, se tenciono-te inda mais
A querer se me prolonguem tantos ais;
Se me acossam, conjuro lonjuras de mim,
Tanto possam me acordam acordes do fim
O conteúdo manteúdo n’alma se apega
Edifício percebesse o sagrado na entrega,
A que todos se dão sem sentir, sem saber;
Só me resta então, na vertigem do crer
Que cicia nos vãos que separam os toques
E espreita na distância infinita das carências
Diz.par.idades nos são ímpares, à cada idade,
Se renovam, como novos renovos nos ares
Bruxuleia chama esperança entre teus pares
Tola criança, te li.que.é.feita, à toda prova
E que a todo dia, e à toda hora, se renova

Francisco de Sousa Vieira Filho
------------------------------------- 

Foto: http://www.yayeveryday.com/post/462

terça-feira, 10 de maio de 2011

CURTO OS CURTOS

SABOR.É.AR

Sedenta língua
Na tua, mingua,
Que sede tinha
Se ti me vinha
E antes te fosse
Eu vinho doce

Francisco de Sousa Vieira Filho
-------------------------------

DOIS VOANDO

                               A Paulo Leminsk

Ah, mar elo
Quer mar ave ilhar...
Mas elo se dá só se dando

Francisco de Sousa Vieira Filho
-------------------------------

DE.’RAP’.ENTE

Impera.a.dor diz.com.o.fio
Da navalha na garganta
Seja a flor que vaga em rio
Que te valha, como manta
Mina.a.dor que ao arrepio,
Por migalha seja, e tanta
Te proteja um cada pio
A verdade que te encanta
No furor de um quase cio
A-mor-talha como santa
Seu labor, um balbucio
Que te calha e se levanta
E um calor de todo frio
Te orvalha e desde a planta

Francisco de Sousa Vieira Filho
-------------------------------

POETAS

Se os poetas trabalham?!
Uns lidam com palavras
Outros, consentimentos

Francisco de Sousa Vieira Filho
-------------------------------

CIGANA

Ela lê gumes
Línguas e coisas
Inda mais afiadas

Francisco de Sousa Vieira Filho
-------------------------------

DIZ.SOM.ANTE

No mundo louco de hoje em dia,
Síndrome de Tom.é sabedoria...

Francisco de Sousa Vieira Filho
-------------------------------

DESENHO: Florian Nicole

quarta-feira, 4 de maio de 2011

CURTOS [CIRCUITOS]


SE SOIS SÓIS
SEI-OS BEM

No horizonte dos lábios
É que se põe o sol dos seios

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

DESTINADA

Já bem próximo ao fim,
É que descubro,
Rubro, como o sol,
Tu não me deste.nada
Estavas...
E, logo, já não

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

CAMUFLAGEM

Ré.ti.sente
No disfarce,
E todavia,
Diz.farsa.a.tez
Toda a vez
Que te via
Em rota
De colisão

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

Ó, CULTA...

Mas se, à noite, és.tática
No momento, preciso
A necessidade é prática

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

MULHER

Da luz da criação, é a face
Mulher, flanco exposto ao mundo
E um coração batendo
É abundância remoendo
Porque dor no doar
E é sorrindo,
A despeito de tudo

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

SÓLIDO

Ao.ter.idade
Pára tanto
Que ao tê-la
Já não queria
Senão um querer
Outro
Solitária paragem
De um dia

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

CásAIS

Por que o “eu te conheci assim”
Só é válido pra você
E não vale pra mim?!

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

FOTO: www.zupi.com

sábado, 30 de abril de 2011

AFORA O AFORISMO, É QUE HÁ FORO E DESAFORO


EM.SINA


Muitas vezes, fazemos, tão-somente, aquilo a que fomos ensinados a fazer, sem discernir, ao certo, tais ordenanças sejam educação ou mero adestramento. Ignoramos, também, o rótulo de certo ou de errado que eventualmente pese sobre muitos destes ditames seja algo que nos foi legado, mas que cremos, intimamente nosso, a ponto de não podermos arredar do destino de segui-los... por vezes cegamente...

Francisco de Sousa Vieira Filho

-----------------------------

Conhecer os grilhões que te aprisionam não te torna menos cativo do que os que se julgam livres, sem que o sejam, só te torna mais triste com o viver no cativeiro. De vez em quando, se sente vontade de voltar para a Matrix... 

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

Vi homens excelentes julgarem se bastarem a si mesmos, contentando-se com suas excelências, regozijando-se tão-somente em terem outros tantos, tão excelentes quanto, entre seus pares, e nada fazerem, nada produzirem de bom, de belo, de novo, de útil, nem mesmo de fútil, motivados sempre por este comodismo e pelo orgulho vão de serem excelentes. Um dia eles morrem e viram nomes de ruas de que ninguém se lembra.

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

Há um tipo de humildade nobre – a despeito da aparente incongruência entre os termos a que se ladeia – que só se encontra nos mais baixos e nos mais altos níveis. Esta não se vê, corriqueiramente, entre os médios.

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------

The wisdom says:
The dark angel of vengeance
Have no freedom,
But too much power...
Choose one!

Francisco de Sousa Vieira Filho
-----------------------------
 

IMAGEM: Jose A Gallego 

terça-feira, 26 de abril de 2011

DESMANTELO



DESMANTELO


O amor é muito mais que este vazio
Que insiste, clama por preenchimento
Queda sem tropeço, dor sem linimento
Nada pode revelar, porque é estio

Se fertilidade fosse, quando já se ia
Nessa perspectiva tosca, insana e fria
A qual se abraça e na qual se enreda
A quem só enfoca dissabor e queda

A que, nesta altura, já nem se mensura
Pesada usura a que cobra esta fissura
E já nem se conta, não mais que a ponta
Do iceberg, que, enregela a dor, entonta

Inteligentemente, é que o eco mente
E se até afagos cita, é que nada sente
Se desfaz num reverbério sem desvelo
A traduzir em nada o seu diz.mantê-lo

Francisco de Sousa Vieira Filho

IMAGEM: 32838601_4rpr7WWT_c.jpg [www.zupi.com.br]

quinta-feira, 21 de abril de 2011

RASCUNHO & RATIO

RASCUNHO


Aprecio o quedar-se no rascunho
A beleza que se faça incompleta
Imperfeita, feita o próprio punho
Que, na criação, é desafio esteta,

Torto caminho, para bellum meta
Do que se quis fosse testemunho
Que mais belo do que a linha reta
É aquela, em que, com esse cunho,

Se despeça de pretensão perfeita
E que por amor à linha rarefeita
Nela inda mais gênio se pressinta

É o que sinto, quando, certa feita,
Se um fio escapa por tua nuca e deita
Te faz arte com a mais bela tinta

Francisco de Sousa Vieira Filho
-------------------------------------
RATIO

A visão não confere a dimensão
Real, do que, de fato, possa haver
Nem leva à necessária conclusão
De que se baste ver pra conhecer

É estranho se precise ver pra crer
Como estranhos abismos o são
Os que se abrem entre ter e ser
E a tudo nubla, devora a menção

De que pra conhecer só baste ver
Quanto mais se demanda à noção
Quer tenhamos uma tal pretensão

Se é a razão que nos faz perceber
Ou se um dado inda falta pra ver
Que, de amor, careça a equação

Francisco de Sousa Vieira Filho
----------------------------------
FOTO: mool-yer-zeen-ya.tumblr.com [ tumblr_lhussgff801qb97vko1_500.jpg ]