The Lair of Seth-Hades: PLURISSIGNIFICAÇÕES PLURISSIGNIFICANTES
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

PLURISSIGNIFICAÇÕES PLURISSIGNIFICANTES

 

PLURISSIGNIFICAÇÕES 
PLURISSIGNIFICANTES 
                                         
                                              A Ludwig Wittgenstein

Eco de palavras mudas à parede contíngua 
Faz escorrer nos escombros destes cinzéis 
O que pareceria seja morta a muda língua 
No borbulhar de tinta bruta, os mil pincéis 

Fazem flua fácil a textura deste texto ágil 
De uns cem mil signos plurissignificantes 
Num entorno louco de verborragia frágil 
E já nem se diga o que é que fora dantes 

Se no rutilar de madrepérola que melíflua 
Molda em pedra o cárcere pedregoso chão 
E faz com que do espelho na parede eflua  
De tais palavras, inda que a menor noção

Francisco de Sousa Vieira Filho


FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p.69.

ARTE: Darkrose42 - http://darkrose42.deviantart.com/art/True-colors-133687586

14 comentários:

Karlla Faby disse...

Obrigada por passar por lá e deixar aquelas palavras...
beijos e cuide-se bem sempre!!!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Zero stress... Via de regra somos conservadores, tememos a mudança, esquecendo que [parece] tudo muda a todo instante... encarar a mudança de frente é uma saída, sobretudo quando se sabe o que se quer... ;)
Bjaum! E se cuide também...
:)

Mateus Luciano disse...

não sei explicar bem o que sinto uma mistura de luz com escuridão
simbolismo meio parnasianista

Marcelo Novaes disse...

Francisco,


Por n razões, considero este "o tema": plurissignificação/ incomunicabilidade. A palavra, tantas vezes, encontra o muro. Reverbera pra dentro, amplificada/ mitificada. As vezes alcança o outro, lateralmente. Enviesada.



Estilo "quase-gongórico", o teu...




Abração.

Lou Vilela disse...

agora sou eu que cá estou, espiando... ;)

Obrigada pelas visitas e gentis comentários.

Beijos

BAR DO BARDO disse...

Pega pesado na dedicatória... Mineralóides se ressignificam aqui...

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Mateus, como vai?! Cara, confesso não curto muito rótulos não; mas - é como diz o Henrique - se me chamar de parnasiano, neo ou algo que o valha, me sinto lisonjeado... não sei de um com o rótulo [de parnasiano] que não seja bom poeta... até Manuel Bandeira, que foi crítico da forma [precursor do modernismo], "pagava maomé" pro Castro Alves... so... :)
Pra confessar mesmo, sou meio escravo da forma, da fôrma, até nos versos soltos me vejo rimando kkkk... metrificar já seria fuleragem rs...

Lai Paiva disse...

Francisco, gosto muito da sua escrita. Tocante e expressiva. Bj

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Hail, Marcelo, beleza?! Suo professor de Filosofia e - por predileção - mais na linha Socrático-Platônica. Fiz o poema justo pra trabalhar [e brincar] em sala o "Tractatus Logicus Filosoficus" do Wittgenstein... Ele dizia que não há verdade fora da matemática; que a realidade não é passível de ser percebida em inteireza, senão com o anteparo [espelho] da linguagem... e que a única linguagem pura, incapaz de falsear aquilo que o comunicante quis transmitir e perfeitamente decodificável [sem falhas] no outro pólo do feedback... Temas mais interessantes há pouquíssimos... Já escrevi vários textos sobre, devo ter postado um ou dois lá no começinho do blog [depois te repasso os links]; mas - confesso - fico maravilhado quando alguém interpreta um texto [e mais ainda] um poema meu na exata forma e medida daquilo que quis expressar... :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Lou, me sinto honrado com cada espidela... bjaum! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Salve, Henrique, tudo bem? Já te disse antes tenho reservas quanto a arte pela arte, mas permitir-se alguma liberdade vez em quando, brincar com as palavras, olvidar a mensagem ou a significação [ou alguma mais explícita] é exercício que só deleita a quem pratica... :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Lai, vou despir, viu?! rs...

wesley iogi disse...

Intenso, me veio a palavra complexo em mente, mas não, rebuscado cabe melhor.

Resp: Durante um longo período, antes de virar homem, rs, fui GM de gurps.

Abraços.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Hail, Wesley, blz?! Este foi propositalmente [rebuscado]... há de encontrar outros menos exagerados por cá... :)