The Lair of Seth-Hades: ANTECIPO
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

segunda-feira, 28 de março de 2011

ANTECIPO


ANTECIPO

Amanhã,
Vi o lado tempo
Eu vim cada pele
[Em tarde ser
Amanhã sendo]
Anacrônico de mim
Estopim assim
Rumoroso
De me vastar
Ou vais tu - que me fico
Cá;
Amanhã,
Violado o tempo,
Eu, vincada pele,
A ruminar lembranças,
A deglutir demoras,
Esperanças e anseios
– Seios todos
Nestas horas;
Pele, pergaminho
Percorrido um dia,
Marcada fica;
E se choro e rio,
Sem discernir
Do que me diz-dita-cuja
Em qual estar,
Choro é água
Rio é veio diz.sentir,
Mas quer afogar, e é só;
Quer, sendo afago
Da memória
Inglória
Do beijo
Que de novo
Quis se dar...
Amanhã,
Vi, ao lado, o tempo
[E dele quero distar,
Que já não me abraça,
E nem me toca]
Eu?! - Vem cá! Dá pele!
Dor avassaladora
Doura em sala ao lado
Quer?! Me dê.vastar!!!
Dês.dita
Que me é.dita
Nessa fita
Rememora
Em.cena
E me acena
À toda hora
O que se foi
O que deixei
O que já não sei
Se é que um dia hei...
Ei! Eis me aqui
Agora
Em antecipada hora.

Francisco de Sousa Vieira Filho

FOTO: VHILS a.k.a. AlexandreFarto - 14338_217534197408_102959537408_3216923_3641566_n.jpg

14 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Francisco, meu querido amigo, grande poeta

Que poema extraordinário, este seu!
Emocionei-me sobremaneira, nas várias leituras que fiz, porque tive de ler várias vezes e outras tantas terei ainda de ler.
Muito, muito lindo, você tratar o tempo assim, desta forma, que sequer sei comentar, simples que sou nestas questões poéticas.
O que sei é que você mexeu demais comigo, de uma forma boa, positiva, proporcinando-me um momento de indescritível deleite estético...
Grata por isso!
Abraço apertado da
Zélia

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Ow, brigadão, Zélia! E deixe de bobagem que inda hoje me passeia pela mente uma cigana de um certo poema seu... [é poeta quem poeta vive, e você vive seu fazer poético como poucos... a admiração é recíproca e me igual medida, acredite].

Engraçado que este poema me saiu numa veia diversa da de costume, fugindo das rimas e da métrica, mas não só, mudança de estilo também. Mais que fracionar palavras e uni-las, dando sentidos outros, quis passar a mensagem do que se passa aqui [dentro] precisa, porque é preciso fazer... poesia é decodificar, leitura da alma, do mundo e do que for... e é foice! :D

Forte abraço, Zélia! ;)

P.S.: não só matou a charada do cerne da temática como me redescubro em tuas leituras e releituras... bjaum! :D

Maria Paula Alvim disse...

Muito, muito bom, Francisco. Como Zélia, tbém li mais de uma vez.

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Poema-pele aponta o pretérito futuro vincado.
Excelente, Francisco.
O melhor poema que li seu.
Liceu de estudos poéticos.
Para bens duráveis, matéria forte.
Abraço grande.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Obrigado, Maria Paula Alvim. As leituras, releituras e impressões dos amigos só me alegram o coração.

Forte abraço! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Valeu, Paulo Jorge Dumaresc! Poema é sentir e onde há mais 'feeling' que intelecção [a despeito do labor do pensar para fazê-lo], ele se há mais livre aí...

Forte abraço! :)

mfc disse...

Um ligar de imagens e sentimentos que nos prendem e nos fazem pensar na vida e no seu devir.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, mfc! Foste preciso... o devir temporal é exato a idéia, sob uma perspectiva individual ['da sein' - ser-aí, ser-no-mundo], pessoal, não o homem gênero, mas o homem-eu, e talvez por isso - só aí - encontremos aquelas angústias que causam comiseração no íntimo de todos, porque, parece ser o caso, 'a parte reproduz o todo'...

Forte abraço, meu amigo! :)

Colecionadora de Silêncios disse...

Francisco, magnífico poema!

Tive que ler e reler, mas é impressionante como vc lida bem com as palavras e tira delas o efeito desejado... genial.

Parabéns, Poeta!

Beijos

danilo disse...

francisco,
vim aqi até sua pagina- para coanhedcer seu trabalho-
e me surpreendi com sua verve, sua temática, seuj longo e elaborado poema, de tantas leituras e de tantas conotaçaões...
grande abrfaço
daanilo.

betina moraes disse...

que cadência! sensacional!

a construção do verso deu a ele uma imensa capacidade dramática e as palavras foram se encontrando em imagens muito bem pensadas.

ficou excelente!
belo trabalho.

um beijo.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Obrigado, Patrícia Lara! O ler já lisonjeia, reler então, inda mais...

Beijos mil!!! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Forte abraço, Danilo! Seja bem-vindo neste nosso cantinho aqui... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Betina, minha amiga, vindo de quem sabe mais só me deixa ruborizado... :D enorme abraço!

P.S.: ultimanente a inspiração vem quando não se tem um papel ou caneta em mãos, tow numas de anotar tudo nas notas e páginas de recado do celular [este cá tb. foi o caso]

Forte abraço!

P.S.2: sua presença e a da Zélia por cá sempre me são bons termômetros... beijo grande! ;)