The Lair of Seth-Hades: DE QUERER A DOR INTEIRA
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

DE QUERER A DOR INTEIRA


 
DE QUERER A DOR INTEIRA - I

Bem antes que me tomem masoquista
Apelo vejam o quanto a dor benquista
É que desnuda a alma, as roupas rotas
E tanto mais não venha a conta-gotas

E é bem por isso que digo 'quero a dor'
E se a quero, quero-a toda e ela inteira
Que nem de longe escapa a seu horror
Quem só dela foge sem eira nem beira

E tanto melhor que dela se prove tudo
Sendo de uma vez só, eu não me iludo
É ter o seu fulgor a embriagar na veia
Que tão menos prolongada faz sua teia

Francisco de Sousa Vieira Filho

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 32.


ARTE:: unknown

19 comentários:

Nydia Bonetti disse...

nossas pequenas
cruzes
as rejeitamos

enquanto outros
imensas
as carregam

Tambérm estou te seguindo, Francisco. Abraço.

Bєzєяяɑ Guimɑŗãeร disse...

Vou colecionar mais um soneto
Outro retrato em branco e preto
A maltratar meu coração.

Chico Buarque

Tenho 15 aninhos, viw?! rsrsrs
É que gosto muito de Filosofia, Sociologia e Direito.
Inclusive, estou terminando O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir.
Muito obrigada pela visita.
Belo poema, és um neoparnasiano?


Beijos,
Ry.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Nydia, coincidência ou não, estava aqui a matutar num soneto com o mesmo tema das belas linhas que acima me ofertou... sempre escrevo linhas em prosa pra bem pensar o tema antes e me saiu algo assim: "a aceitação do erro, da falibilidade humana, é o que nos absolve; a santidade distante, imposta por não-santos, como nós, nos condena." Obrigado por seguir. Sinta-se em casa, este espaço é nosso... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Bezerra... Ry?! Renata, estou certo?! Neoparnasiano seria elogio, confesso, mas transito por muitos estilos, embora tenha especial predileção pelo soneto, não nego... :D sou somente um aprendiz brincando com as palavras...

P.S.: mudando de assunto e puxando já uma brasa pra minha sardinha, cursar Direito seria uma boa pedida... :)

Bjo!

guru martins disse...

...bem vindo
o bardo ao balaio...

aquele abraço

Bárbara disse...

Francisco, adoro tuas poesias, se me permite dizer, essa me parece com meu ultimo texto, so que metrificada, rimada..tao bela, e leve, e pesada, cotrapontos que se equilibram.
Desde que vi que tu estavas seguindo meu blog, venho sempre aqui, so nao to te seguindo, (e aviso de antemaão que sou pessima com tecnologias) pq ainda nao descobri como faz. kkkkkkkkkk
e desde entao tb te procuro, no orut, um email, um contato, enfim...
http://www.orkut.com.br/Main#Profile?rl=ls&uid=6790908555767369059
meu orkut, se vc nao tiver orkut, me manda teu msn ou email, queria muito conversar com vc, sobre nossos escritos, e vi tb que vc é advogado, e eu, como uma estudante da area, queria sua permissão pra sugar-lhe um pouquinho de seus conhecimentos, se assim permitir. bjos e parabens

Wania disse...

Oi, Franscisco

Que venham as dores inteiras, que desnudam a Alma e as roupas rotas... estas são a que nos obrigam a encontrar remédios plenos!



Lindo teu cantinho e tb lindos são os teus sonetos, parabéns!

Tb te seguirei apartir de agora,
Bjs

avarandados do anoitecer disse...

é... gostei! to seguindo, vizite-nos também!

abraço!

Mateus Luciano disse...

parei diante de um Poeta.
o que li aqui eu sempre busquei por ai

Mateus Luciano disse...

é tudo perfeito certinho bem escrito
adorei
os detalhes são a magica .

Gil Costa. disse...

aplausos....[perfeito]
=)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Guru do balaio, seja bem-vindo ao covil de Seth-Hades...

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Bárbara,tudo bem? Adorei seus textos tb...

Aqui meu msn: iarcovich@hotmail.com

Já ADD no orkut...

Bjaum!

P.S.: já eu sou viciado em tecnologia rs.... mas em termos de blog, tenho aprendido mt. com alguns amigos por cá... pra seguir é só clikar em 'seguir' na barra à direita, onde tem fotos dos blogueiros que seguem tb...

;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Wania, o encanto é mútuo... encantaventos é um belo espaço... genial a personalização da página, não menos bela que os textos... o derradeiro me lembrou canções medievais que as esposas dos navengantes faziam... colei por lá o trecho de uma poesia que uma banda irlandesa [se não me engano] musicou... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Avarandados, adorei os 'haicais'... só fiz um único... sou meio viciado no soneto e faz pouco em aventuro em outras sendas... sejam bem-vindos... o covil é nosso... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Mateus, tudo bem? Seha bem-vindo também... o poema em questão está no meu primeiro livro... publiquei em novembro de 2009, recente... mas em linhas abaixo vai encontrar textos outros e poemas inéditos também... obrigado por seguir... forte abraço! Sinta-se à vontade no covil. ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Gil, minha linda, inda te devo o livro... e lembrar que não existe no ente humano ânsia maior do que a de sentir-se compreendido na fatídica solidão que nos marca a todos [encarcerados que somos em nós mesmos, incapazes de nos projetarmos pra fora de nossa casca-corpórea temporária]... raro encontrar alguém que nos entenda e nos fale à alma, aproximando-se da quebra desta solidão: a estes chamamos amigos-irmãos... saiba que te trago entre tais. Bjaum, menina!

P.S.: tomei a liberdade de mostrar alguns de teus sonetos pro H. Pimenta - ele é fera... vou mostrar alguns de meu amigo Paulo Henrique (PH), que espero te apresentar em tempo [comecei a escrever poesia por causa dele - ele veio da poesia pra prosa, eu fui da prosa pra poesia...] :D

BAR DO BARDO disse...

Cara não se muda?
Mas o prazer mascara
o que dor desnuda.



Gostei do texto.
Parabéns!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Henrique, blz?! Tenho cá um único 'haicai' feito, ou imitação, algo do tipo... conhecendo agora o jeito...

'E a quem queira definir a poesia
Tanto mais se afasta
Tanto mais se distancia'

Q tal?

:D