The Lair of Seth-Hades: EM.TÁ,LHE.ANDO & LEVIATÃ
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

sexta-feira, 24 de junho de 2011

EM.TÁ,LHE.ANDO & LEVIATÃ


EM.TÁ,LHE.ANDO

                       
Para a amiga Zélia Guardiano,
pela amizade, o estilo ímpar e a inegável inspiração
Entalhe
A fenda
Em uva
Defenda
O talhe
À vulva
Detalhe
Penda
A chuva
Te calhe
Emenda
À Luva
Se Falhe
A Lenda
Turva
Farfalhe
A senda
Em curva

Francisco de Sousa Vieira Filho
------------------------------------
LEVIATÃ

Diz.com.nexo se.te.ando ou parte.se.par...
Que esta.ação de parte.ida te é.de.ficar
Ao tatear as frontes baixas na multidão
Esgarça-me os becos mudos da solidão
Como tentasse segredar flor em deserto
Questionar se me disto ou se estou perto
E há salto na alma, como se fosse fácil
Autor.ía, já não vai, como se fosse fóssil
‘Sem’.tem.cio, se tenciono-te inda mais
A querer se me prolonguem tantos ais;
Se me acossam, conjuro lonjuras de mim,
Tanto possam me acordam acordes do fim
O conteúdo manteúdo n’alma se apega
Edifício percebesse o sagrado na entrega,
A que todos se dão sem sentir, sem saber;
Só me resta então, na vertigem do crer
Que cicia nos vãos que separam os toques
E espreita na distância infinita das carências
Diz.par.idades nos são ímpares, à cada idade,
Se renovam, como novos renovos nos ares
Bruxuleia chama esperança entre teus pares
Tola criança, te li.que.é.feita, à toda prova
E que a todo dia, e à toda hora, se renova

Francisco de Sousa Vieira Filho
------------------------------------- 

Foto: http://www.yayeveryday.com/post/462

10 comentários:

Lara Amaral disse...

Muito bonitos, Francisco! Principalmente a homenagem à Zelinha, poetisa que guardo no peito, êta moça querida e sensível!

Beijos aos dois.

Nina Blue disse...

Oiiiiiiiiiiiiii!
Bacana como sempre!

Beijos dasverlierenanos!

Nina Blue disse...

Ah, já ia esquecendo...
Tô amando seu livro, viu?
Beijinhos!

Belly B disse...

Gorgeous photo! So surreal! :)

<3 Belly B

Cacau disse...

tentando descrever em palavras os textos, mas só me resta uma: belos!

Hotel Crônica disse...

Incrível,
sua capacidade literária continua a me impressionar e inspirar cada vez mais.
Parabéns!
Quanta inspiração companheiro!

Renata Fagundes disse...

se espalhe (se)duza

beeeijo moço

Nadine Granad disse...

Homenagem mais do que merecida ;)

Beijos =)

Pedra do Sertão disse...

Criativos, sensíveis e apurados!

brunobakeroliveira disse...

organicidade palaciana