The Lair of Seth-Hades: A PEÇA HÁ DE FAULT AR
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

A PEÇA HÁ DE FAULT AR

A PEÇA HÁ DE FAULT AR

A peça que me falta pede
No paço da razão eu possa
Contemplar que tanto peço
De perder-me no compasso
E ãn-seio sem.ti afagar
Tão dela.e.cio que ãn-cio
Veio diz.sentir afogar
E está tudo por um fio
Do que fomos e que somos
Rio em que desagua o mar
Dor.sal da terra eu abraço...
Em tal diz.senso a vagar
Que sal.dade é este.lhe.aço
Que dôo e dói cada pedaço
Na diz.sem.são, divagar...
Que não se constrói sem ti
Animal sedento e sedentário
Pois de tudo o quanto vi
Que pulula e que é vário
Penso, somos cada sumo
De um querer desentortar
Neste labor eu me consumo
Não consigo, mas eu tento
Trago comigo cada caco
Que, à vontade, eu desarranjo
Meu triste rosto de macaco
Minh’alma luzente de arcanjo
Refazendo-me, à receita,
Desta refeição refeita
Nesta linha rarefeita...

Francisco de Sousa Vieira Filho

ARTE: Braga Tepi - Francisco de Oliveira Braga - talentosíssimo artista piauiense - http://bragatepi.blogspot.com/ e http://btepi.blogspot.com/

59 comentários:

Marcio Nicolau disse...

linha rara e feita com maestria!

Cris de Souza disse...

Tu és peça rara, meu caro.
Teus contornos me deixam zonza...
Maravilhosos!

Beijo, poeta.

Flavio Ferrari disse...

Lindo poema ... dava um bom rock progressivo

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Linha rara e feita com maestria

Marcio Nicolau

Estrada estreita
Feito coisa feita
Mesmo que rara

Valeu, Nicolau! Forte abraço! E seja sempre bem-vindo por cá! :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Tu és peça rara, meu caro.
Teus contornos me deixam zonza...
Maravilhosos!


Cris de Souza

Com.tornando entre os estilos... :D

Bjs mil, Cris! Obrigado! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

...ou um bom heavy metal [tradicional] rs...

Forte abraço, Flávio Ferrari! :)

Í.ta** disse...

está tudo por um fio, sim, francisco. pelo fio que o poema teima em sustentar.

grande abraço.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Que de tanto fiar a.tei.mar inifinito ao poema pequeno que sumos... :)

Forte abraço, Í.ta**!

:)

Fatima disse...

Seja Bem Vindo!
Bjs

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Usted también, Fátima! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Estranho, comentei em blogs amigos e a foto do perfil foi um desenho que eu não escolhi... bug do blog ou roubaram minha senha? :/

. intemporal . disse...

.

. singular . em antologia perene .

.

. parabéns .

.

. abraço .

.

Insana disse...

Forte seu texto..

bjs
Insana

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

.

. singular . em antologia perene .

.

. parabéns .


Paulo Intemporal

Valeu, Paulo! Forte abraço! :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

For thee

rs...

Bjaum, Insana! :)

António Rosa disse...

Francisco

Maestria. Gostei muito.

«E está tudo por um fio
Do que fomos e que somos»

Abraço,

António

Valéria Sorohan disse...

Gostei dos pedaços.

BeijooO*

Pólen Radioativo disse...

Eita, Chico...
Poema difícil esse seu. Perdi as contas de quantas vezes o reli. Difícil pelas confusões que trouxe ao meu espírito. A sensação é de dez.pedaços ávidos por serem remontados, colados...para que possam, apesar de tudo, permenecer unidos. Acabei sendo retalhada pela leitura, meu amigo.
Acabei por absorvê-lo assim:

É necessário que dois sejamos
Ainda penso, que a peça encaixe
No paço que o amor é constante
Faz falta, mesmo um triste caco.
Segue a vida estranho compasso
Porque vôo, voltas anti-horário
Lambendo sal outrora debulhado
Com prazer na lembrança do gosto
Da alegria refletida em estilhaços.


Beijos, querido... E obrigada por sempre estimular objetiva ou subjetivamente a minha escrita.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Maestria. Gostei muito.

«E está tudo por um fio
Do que fomos e que somos»


António Rosa -> Cova do Urso

Valeu, António! Forte abraço! :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Que os pedaços possam "ser inteiro" um dia... Bjs mil, Valéria! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Eita, Chico...
Poema difícil esse seu. Perdi as contas de quantas vezes o reli. Difícil pelas confusões que trouxe ao meu espírito. A sensação é de dez.pedaços ávidos por serem remontados, colados...para que possam, apesar de tudo, permenecer unidos. Acabei sendo retalhada pela leitura, meu amigo.
Acabei por absorvê-lo assim:

É necessário que dois sejamos
Ainda penso, que a peça encaixe
No paço que o amor é constante
Faz falta, mesmo um triste caco.
Segue a vida estranho compasso
Porque vôo, voltas anti-horário
Lambendo sal outrora debulhado
Com prazer na lembrança do gosto
Da alegria refletida em estilhaços.



Beijos, querido... E obrigada por sempre estimular objetiva ou subjetivamente a minha escrita.


Adriana Araújo -> Polénradioativo

WAW! Não seria preciso dizer mais nada ao não ser colar o que escreveu novamente cá, ficou massa!!! E nem preciso repetir você tem o dom de fazer algo inda melhor da perspectiva que tenho... ficou lindo, Dri, mt. massa mesmo! Releitura que supera a leitura... ;)

Enorme xêro, nina! :)

Pâmela Grassi disse...

Francisco,

teus poemas são uma enxurrada de palavras raras!

Beijos

tonhOliveira disse...



O.missão de ora.dor / pensa.dor
e escre.ver a dor...

Mente Sã Fran xico!

:)

Gerana disse...

F: já tentei comentar aqui em outras ocasiões e não consigo - clicando nos comentários, eles não abrem; enfim, consegui.
Lendo seus poemas, me ocorreu aquela frase de Ezra Pound, quando ele diz que o poeta é um artífice. Aqui: muita arte.

Fernand's disse...

somos um pouco de tudo na verdade. de muito. outros de pouco.

bjs meus.


aqui o passo a passo do bloqueio:

http://blogger-dicasmamanunes.blogspot.com/2008/10/bloquear-cpia-do-blog-ou-site.html




espero ter ajudado.

Nadine Granad disse...

linha rara e feita com maestria [2]
... Não saberia dizer melhor ;)
... Quebra a [minha] cabeça!...


Beijos =)
... e aplausos ;)

Juliana. disse...

As vezes sedentos de razão, esquecemos de contemplar a emoção que nos reveste e perdemos a receita, mais a linha ainda há de nos guiar pela certeza, pela vontade de sermos completos, mesmo imperfeitos! Um abraço meu amigo!
Juliana - Palavras em vão

Vanessa Souza Moraes disse...

Meu blog mudou de endereço, o novo é:
http://vemcaluisa.blogspot.com/
:)

BAR DO BARDO disse...

bom texto...

(se eu pudesse te pedir algo, pediria para não quebrar palavras e usar pontos no meio das partes)

abraço!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

teus poemas são uma enxurrada de palavras raras!

Pâmela Grassi

Obrigado, Pâmela! Bons ventos de ins-piração venham sempre! :)

Bjs! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...



O.missão de ora.dor / pensa.dor
e escre.ver a dor...

Mente Sã Fran xico!

:)


TonhOliveira

Canta.a.dor da peça faltante... :)

Forte abraço, Tonho! :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

F: já tentei comentar aqui em outras ocasiões e não consigo - clicando nos comentários, eles não abrem; enfim, consegui.
Lendo seus poemas, me ocorreu aquela frase de Ezra Pound, quando ele diz que o poeta é um artífice. Aqui: muita arte.


Gerana Damulakis

Às vezes dá tilt o blog, normal rs... obrigado pelo carinho de sempre, Gerana... bjs meus! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

F: já tentei comentar aqui em outras ocasiões e não consigo - clicando nos comentários, eles não abrem; enfim, consegui.
Lendo seus poemas, me ocorreu aquela frase de Ezra Pound, quando ele diz que o poeta é um artífice. Aqui: muita arte.


Gerana Damulakis

Às vezes dá tilt o blog, normal rs... obrigado pelo carinho de sempre, Gerana... bjs meus! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

somos um pouco de tudo na verdade. de muito. outros de pouco.

Fernand´s

Apoucando em busca do muito... :)

Bjs, Fernand´s ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

linha rara e feita com maestria [2]
... Não saberia dizer melhor ;)
... Quebra a [minha] cabeça!...


Beijos =)
... e aplausos ;)


Nadine Granad

Bjs mil, Nadine! De quebrar e remontar... :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Às vezes sedentos de razão, esquecemos de contemplar a emoção que nos reveste e perdemos a receita, mais a linha ainda há de nos guiar pela certeza, pela vontade de sermos completos, mesmo imperfeitos! Um abraço meu amigo!

Juliana - Palavras em vão

Caraca! Na veia, na ferida, devassando o indevassável... descobriste o enigma... ;)

Zorbba Igreja disse...

Parabéns meu caro!!!

Agora quanto a "quem fez o quê?" não me é permitido decidir...rs

Só pra acescentar, ouve a música do título - Little Green Bag.

Abraço cara.

(ps: tuas revistas tão comigo)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

bom texto...

(se eu pudesse te pedir algo, pediria para não quebrar palavras e usar pontos no meio das partes)


Henrique Pimenta - BAR DO BARDO

Eu me peço rs... começou como um exercício rs... a gente labuta uma vida pra conseguir um estilo, um mote, um jeito, algo que nos seja a assinatura poética que nos individualiza... depois, gastamos outra vida pra nos livrar dos estilos que encontramos pelos caminhos e que nos aprisionam... este é o da vez rs...

Forte abraço, Henrique!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Parabéns meu caro!!!

Agora quanto a "quem fez o quê?" não me é permitido decidir...rs

Só pra acescentar, ouve a música do título - Little Green Bag.

Abraço cara.

(ps: tuas revistas tão comigo)


Valeu, Zorbba! Subo hj. pra Florypa, qd. chegar a gnt. combina p eu ir pegar... :)

P.S.: meus amigos gostaram mt. tb... a gnt. fez meio que uma sessão nostalgia, dos tempos em que na ufpi nos reuníamos pra ouvir boa música e ler bons textos... ah, vou ouvir sim Little Green Bag... abraço!

Chili_Blond disse...

passando aki soh pra parabenizar...teu blogger tah show...parabééééns *-*

aluisio martins disse...

Chico, jus ao nome de tantos imortais na poesia a arte em palavras. você desfaz o verbo e refaz os sentidos das palavras. onde anda teu livro e tuas letras musicadas? vai largar o direito para viver a tortuosa vida de poeta, qual vinicius que se diplomou nos versos? a vida pede lida e mesa, a vida pede mais poesia e idéias que nos livrem dessa realidade imposta e impostora. o negócio aqui é não ser negócio. as trocas são de alma a alma. sou teu fã. Há um grande cara aí que vcs poderiam formar boas parcerias, chama-se Roraima, gde musico e poeta, deve conhece-lo, decerto. Não pare de nos brindar seus conselhos poético-filosóficos.
abs

Rafael Castellar das Neves disse...

Cara...este texto dá um nó na garganta...um vai e vem muito bem feito que dá a sensação de incompletude e impotência...muito bom!!

[]s

ErikaH Azzevedo disse...

Conflitos do querer amar, temos todos...


E a saudade e gume de aço que desfaz os laços, nos divide em dois...e somos metade apenas parte de nós.

Sem amor rarefeitos somos , falta tudo, até o ar qdo nos está ausente este objeto de amar.

Q te seja breve este sentir... pra que um outro sentir-se pleno possa vir.

Um beijo

Erikah

Zélia Guardiano disse...

Você é mestre, meu querido Francisco!
Poema é com você mesmo... Não há dúvida!
Adorei!!!
Enorme abraço, amigo!

PS-Tenho tido dificuldade para comentar aqui...A página não abre...
Desta vez foi fácil, ainda bem, pois gosto de deixar umas palavras quando venho (e venho sempre, pois como não fazê-lo?)

Danny disse...

muito bom

Lua Nova disse...

Que belas imagens vc cria e com que originalidade quebras a continuidade do pensamento. As palavras prenhes de sentidos, dão à luz idéias paralelas e, assim mesmo, complementares.
Único!
Beijokas.
Seguindo...

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Obrigado, Chili_Blond... bjs mil, nina! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Chico, jus ao nome de tantos imortais na poesia a arte em palavras. você desfaz o verbo e refaz os sentidos das palavras. onde anda teu livro e tuas letras musicadas? vai largar o direito para viver a tortuosa vida de poeta, qual vinicius que se diplomou nos versos? a vida pede lida e mesa, a vida pede mais poesia e idéias que nos livrem dessa realidade imposta e impostora. o negócio aqui é não ser negócio. as trocas são de alma a alma. sou teu fã. Há um grande cara aí que vcs poderiam formar boas parcerias, chama-se Roraima, gde musico e poeta, deve conhece-lo, decerto. Não pare de nos brindar seus conselhos poético-filosóficos.

aluísiomartins

Cara, egos à parte, quando o elogio vem de quem se admira, tem valor dobrado... tocaste em pontos cruciais viver entre dois mundos... conversava sobre isso com a Adriana do Pólenradioativo... se a poesia é respiro, emergir desse afogar que é a vida do mundo, porque não alçar vôo logo?!... :)

Forte abraço, Aluísio! :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Cara...este texto dá um nó na garganta...um vai e vem muito bem feito que dá a sensação de incompletude e impotência...muito bom!!

Rafael Castelar das Neves

Enodado e cego vê... :)

Forte abraço, Rafael! :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Conflitos do querer amar, temos todos...

E a saudade e gume de aço que desfaz os laços, nos divide em dois...e somos metade apenas parte de nós.

Sem amor rarefeitos somos, falta tudo, até o ar quando nos está ausente este objeto de amar.

Q te seja breve este sentir... pra que um outro sentir-se pleno possa vir.


ErikaH Azzevedo

Erikah, você recebe?! rs... na veia... uma face está exposta... :)

;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Você é mestre, meu querido Francisco!
Poema é com você mesmo... Não há dúvida!
Adorei!!!
Enorme abraço, amigo!

PS-Tenho tido dificuldade para comentar aqui...A página não abre...
Desta vez foi fácil, ainda bem, pois gosto de deixar umas palavras quando venho (e venho sempre, pois como não fazê-lo?)


Zélia Guardiano

Sua palavra e seu carinho aqui sempre estão, quer com palavras ou não... :) obrigado, Zélia! Sou seu fã, já disse, né?!... Bjaum! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Valeu, Danny! Seja bem-vinda por cá! :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Que belas imagens vc cria e com que originalidade quebras a continuidade do pensamento. As palavras prenhes de sentidos, dão à luz idéias paralelas e, assim mesmo, complementares.
Único!


Lua Nova

Quebra.disso e daquilo... :D

Bjs mil, Lua Nova!

Sílc disse...

Francisco, me passou que somos como um quebra cabeça e à medida que vamos encaixando a peça, mãos, braços, pé, pernas, pecoço, rosto... fioa a fio somos 'montados'.
Desculpe, mas foi a leitura que tive.
Estou a espera de sua visita lá em Casa, para que me deixe um retalho sobre meu texto. Me sinto honrada com sua visita. se desejar ficarei feliz!
com amor e carinho,
Sílvia
http://www.silviacostardi.com/

Mulher na Polícia disse...

Um poema-escultura...
Mili-metrica-mente lapidado...

Liiiiiiiiinda essa foto!!!

Beiiiiiiiiijão!

Vanessa Souza Moraes disse...

Porque algo sempre falta, embora doa.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Francisco, me passou que somos como um quebra cabeça e à medida que vamos encaixando a peça, mãos, braços, pé, pernas, pecoço, rosto... fioa a fio somos 'montados'.
Desculpe, mas foi a leitura que tive.
Estou a espera de sua visita lá em Casa, para que me deixe um retalho sobre meu texto. Me sinto honrada com sua visita. se desejar ficarei feliz!
com amor e carinho,
Sílvia
http://www.silviacostardi.com/


Silc - Sílvia Costardi

A poesia ao sair de nossas mãos já não nos pertence... assim é com a arte como um todo... ela é de quem lê... ela é só estrutura, aparato, instrumental, pra despertar o sentir e o compreender de cada um... e, digo, miraste na veia... é justo isso mesmo... felizes ficamos ambos... ;) Bjs mil!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Um poema-escultura...
Mili-metrica-mente lapidado...

Liiiiiiiiinda essa foto!!!

Beiiiiiiiiijão!


Mulher na Polícia

Uso uma 9 milímetros... rs... bjs, Mulher na Polícia! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Porque algo sempre falta, embora doa.

Vanessa Souza Moraes - Vem cá Luísa

Falta menos se doar... :D

Bjaum, Vanessa! ;)