The Lair of Seth-Hades: A.TRAVE.SE.ÍA DE MIM
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

sábado, 26 de março de 2011

A.TRAVE.SE.ÍA DE MIM


A.TRAVE.SE.ÍA DE MIM


Consultei meu atraso de mim,
Nos ossos,
Nus dias,
A saber bem sou assim,
Exato,
Como me medias;
Se dos medos que, um tanto,
Cultivei, hoje sei,
Que um dia hei...
Fez-se, em mim, esta lição:
De que desperto, vivo,
Nas lutas de que são feitos
Os dias
E inda mais vivo
Torno
Estou sempre noutra margem
À margear o que sou
- Inatingível -
Distante
De mim,
De tudo,
E do mundo;
Fitando - crédulo –
O triste rio
Em que me rio de mim...
Infindo rio,
Que ninguém ousa
Atravessar...
Pois que é trave e entrave
No olho do outro
O cisco no seu.

Francisco de Sousa Vieira Filho

FOTO: http://yayeveryday.com/post/9676.jpg

14 comentários:

Pólen Radioativo disse...

Oi, Chico...
É um sentimento tão "distante"... E diz tanto, meu amigo. Sinto, ao ler tua poesia, a "lonjura" em que me encontro de mim. As coisas estão tão distantes umas das outras que a travessia se mostra tão cansativa, porém, necessária, não é mesmo?!

Muitos beijinhos, meu tão querido.

. intemporal . disse...

.

.

. entre.mim.e.eu .

.

. entre.o.que.sou.e.quem.sou .

.

. a analepse é uma constante . e propulsora da mudança .

.

. abraço .

.

.

Úrsula Avner disse...

Olá meu caro, bem profundo o poema...Feliz estou em te visitar novamente. Grande abraço.

Rita disse...

é incrível teu brincar com as palavras, são tão maleáveis a ti escrevedor!
obgada pelo carinho lá nos Brejos.
Bjos querido

Medeiros Alencar disse...

Boa noite, meu caro.
Como sempre, textos que se resumem em obras de arte. Trocadilhos incrivelmente criativos.
A busca pelo "ser", ou talvez pelo "não ser", sempre será algo eterno na humanidade. E talvez por isso ela seja tão mutável.
Muito bom.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Srta Raposinha! :D

Lonjura que com.jura feitiço a nos aproximar de quem somos...

Beijos mil, menina sumida! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Paulo [intemporal], blz?!


Um só é o desejo da alma que só quer que a si adntre, talvez aí o eu se perca e se encontre, porque - já disseram os mais sábios - "é preciso se perder pra se encontrar"...

p.s.: a releitura dos amigos aqui no blog sempre me faz melhor divisar as coisas...

Forte abraço, Paulo!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Úrsula, bom é saber que tornas cá... um forte abraço! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Andei ausente, Rita, mas vou voltando, aos pouquinhos... aos brejos e às almas agrestes, mas cheias de cor e vida a dar...

Forte abraço, menina! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Também creio, a mudança parece ser mesmo imutável...

Forte abraço, Medeiros Alencar! :)

Lara Amaral disse...

Ótimo poema!
Comentei no Gato da Odete.

Beijo.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Bjus mil, Cara Lara! ;)

Flá Perez (BláBlá) disse...

esse é muito belo.
e o final é genial.

bjbjbj

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Bjaum, Flá! Seja bem-vinda no meu cantinho cá... Xêro! ;)

P.S.: tow me deliciando com teu livro...