The Lair of Seth-Hades: NOCTÍVAGO
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

domingo, 25 de abril de 2010

NOCTÍVAGO


NOCTÍVAGO

De tudo o quanto trago em mim
A tudo regurgito num só trago
Em vão intento desbravar assim
O véu que nos perturba, aziago

Fio olhos na noite, qual se mago
A querer emaranhar contrafeitiço
Nas malhas enoitadas onde vago
Nos céus de curiosidade eu atiço

Desejos e vontades, desperdício
Dos dias e das horas e das noites
E sou acoimado em seus açoites
Não posso me furtar a este vício

Que vejo que pudesse elaborar
E o preço de pagar então eu pago
Um mínimo minuto a mais criar
Imerso neste sonho me embriago

De sendas tão soturnas, andarilho
Persigo nestas curvas o teu brilho
Que sob o véu místico das brumas
Quer que tanto dure que não sumas

Quisera então o teu menor afago
De ninfa inspiradora que me dita
E na profusão de quase um lago
Minha futura conta é que debita

Os anos que perdidos e sem sono
Das rédeas é que fosse eu o dono
No controle é que poder quisera
Domar-me o que de voraz e fera

E sigo e sou sedento pelo novo
O passo a mais de mim me movo
E o sol que se agiganta preludia
Nascer de algo novo a cada dia

Francisco de Sousa Vieira Filho

ARTE: Luiz Royo

31 comentários:

Lou Vilela disse...

Francisco,

Lírica caminhada notívaga, meu caro.

Abraços,
Lou

Lara Amaral disse...

Sob véus criamos, e sonhamos que, ao emergir, não queiramos mais sofrer tanto. Ledo engano.

O que digo é bobagem, só coisas que senti. Seu poema é incrível, me tocou muito.

Beijo.

Geraldo de Barros disse...

puxa vida, muito bom, parabéns, um poema muito bem construído, muito bem trabalhado, gostei

um abraço,
G.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, galera, estou sem net em casa - problemas no modem, roteador, etc. Um monte de poemas novos pra postar. Passei aqui rapidinho só pra olhar este cá. Um forte abraço.

renata carneiro disse...

o novo é sempre combustível.

beijo

Matéria Escura disse...

transcender o escuro da vida com poesia.

gosto da temática do poema
e da linguagem.


Ryan.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Forte abraço, Lou! Caminhemos em noites enluaradas... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, caríssima Lara Amaral... o que dizes não é bobagem nada, é preciso - como de hábito... um forte abraço, menina! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Valeu, Geraldo! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Seja sempre combustível, o novo e o antigo... forte abraço, Renata Carneiro... seja bem-vinda por cá... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Valeu, Matéria Escura, precisa análise, na mosca... forte abraço e seja bem-vindo por cá... ;)

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Francisco! Fiquei muito feliz com a tua visita e principalmente por teres te tornado seguidor do nosso humilde espaço. Isso somente aumenta a minha responsabilidade de melhorar tudo aquilo que crio e escrevo. Espero que voltes mais vezes, pois será sempre um prazer renovado. Eu particularmente, com certeza aqui voltarei mais vezes, pois tens um espaço muito aconchegante, como também, preciso aprender mais um pouco. Tornei-me teu seguidor, isso até quando permitires, é claro.

Quanto ao "NOCTÍVAGO", adorei o poema, muito profundo, principalmente a estrofe abaixo:

Quisera então o teu menor afago
De ninfa inspiradora que me dita
E na profusão de quase um lago Minha futura conta é que debita

Abraços e uma ótima semana pra ti e para os teus.

Furtado.

Nadine Granad disse...

Do caminhar noturno...

A noite é proteção enquanto se aguarda os primeiros raios de sol a dissipar as trevas...
Negrume que esconde ser que anseia tocar a luz!...
Muito bom viajar por aqui!

Belo!

Abraços carinhosos =)

sarah disse...

Adorei demais, super completo.
A imagem então, deu vida ao espetáculo..
parabéns!

Valéria disse...

As andanças noturnas, sempre são inspirações maravilhosas.

BeijooO'

BAR DO BARDO disse...

Noite é berço de artistas. Lua, travesseiro...

:)

Andarilho disse...

"E sigo e sou sedento pelo novo
O passo a mais de mim me movo
E o sol que se agiganta preludia
Nascer de algo novo a cada dia"
Tocante, o verso que mais me tocou!!

Abs

L. M. disse...

Forte, claro, belo...
Genial!
Sempre saio com uma carga de sentimentos quando entro aqui.

José Carlos Brandão disse...

Por que os poetas gostam da noite? (Eu também. Embora agora sabaoreie a claridade). Pelo menos a noite nos dá bons poemas, como este seu.
abraços.

guru martins disse...

...ainda bem!!!

aquele abraço

Nydia Bonetti disse...

Enquanto temos sede do novo - noite ou dia - estamos bem vivos... Abraços, Francisco!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Rosemildo, tudo bem? Zero stress, hombre, não precisa de permissão ou senha por cá - o espaço é de acolhida e também de troca... se tenho algo a ensinar, muito mais a aprender, acredite... um forte abraço, meu amigo, e venha por cá sempre! :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Viajemos juntos então, Nadine... forte abraço! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Obrigado, Sarah! Beijão, menina! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Inspiremo-nos, Val. Beijão! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

E, por vezes, nem falta a ninfa, a sílfide, a musa inspiradora a embalar um lullaby for Morpheus rs...

Um forte abraço, Henrique!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Andarilho, andarilhos somos - transeuntes... :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Recarregamo-nos mutuamente, L.M.

Forte abraço, menina! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

É assim mesmo, José Carlos, vai de lua - por vezes é a noite; noutras, o dia... :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Forte abraço, guru... andaste quase tão sumido quanto eu... :)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

É a sede que move ao saciar... do contrário ou se é morto ou se é como os deuses gregos, insípidos de desejos e vontades e ímpetos que invejam possam ter os homens [ainda que tenham lá seus vícios os deuses...]

Forte abraço, Nydia! :)