The Lair of Seth-Hades: MALA SUERTE
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

terça-feira, 23 de março de 2010

MALA SUERTE



MALA SUERTE

Hoje eu quero a dor 
Já nem anseio pela morte 
Quem me dera aquela sanha 
Se então me sobreviesse  
Uma outra melhor sorte 
E um bem maior teria sido o rancor 
Que por certo hei de guardar  
E em o lançando ao vórtice 
No ciclo inferi que só se repete 
E que mal abranda, quanto mais me aquiete 
Viva eu meu inferninho cá 
Que não me resta outra consorte 
Nesta vida boa coisa não há 
Tanto melhor seria a morte
Mas hoje eu quero a dor

Francisco de Sousa Vieira Filho

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 30.


ARTE:Dorian Cleavenger - http://reinosemnome.files.wordpress.com/2009/07/dorian_cleavenger_thejota.jpg

* Post Scriptum: calma, galera, não é algo de agora [risos]. A poesia, por vezes, consegue [mais que tudo] encapsular um sentimento e, como catarse, retirá-lo e imortalizá-lo [áinda bem que fora - risos]... ah, hoje li algo que gostaria de ter escrito, algo simples, direto, incrivelmente preciso e quase mágico em tudo o que comporta em si - "o poeta pena"

20 comentários:

cirandeira disse...

A dor nos fortalece, nos ajuda a crescer enquanto seres humanos. Já
a morte, quando se trata da perda
de algo que nos impede de crescer, também é bem vinda. Em ambos os casos sofremos muito, mas amadurecemos!

Luciana P. disse...

A dor é necessária, às vezes... E isso é retratado de forma belíssima nos seus versos.Beijos!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Já disse alguém mais sábio que eu, seja pelo amor ou pela dor o que importa é aprender... Goethe [igualmente mais sábio] diria: "o sofrimento é para o sábio aprendizado" :)

Seja bem-vinda, Cirandeira, sinta-se em casa neste nosso cantinho cá... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Beijos mil, Luciana! ;) E que nos sobrevenha [sempre] mais amor que dor, pois isso é bom e desejável ;)

L. Rafael Nolli disse...

Meu camarada, retribuindo a visita. Um belo poema esse aqui! A dor sempre a perseguir o poeta - dor fingida ou não! Gostei!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Valeu, Rafael, é como disse alguém "o poeta pena" :D Seja bem-vindo cá...

Lara Amaral disse...

Entendo, sei bem como é.

Gostei da exteriorização da dor no poema, que entende que precisa ser sentida.

Beijo.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

E se põe pra fora ou se contamina... :D

Beijão, caríssima Lara!

;)

P.S.: seguindo por outras mídias...

Layara disse...

...já apenas a dor, já que nem a morte me consola...

Ele falava verdades em versos suaves e doloridos...sentidos e sentimos isso quando lemos.

Bela escolha.

Beijo!

Paz e Luz!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Beijão, Layara... ;)

Nine disse...

Poesia incrivel...
Eu sempre desejo a morte, e não a dor...
O poeta pena...amo muito essa música do teatro...
rsrsrs...
Obrigada pela visitinha ao meu blog, e perdoe-me o comentário rápido aqui...
Pouco tempo, e não gosto de não retribuir visitas...
depois volto com calma.
até.
=*

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Nine, seja bem-vinda... é como dizia, a morte é rápida, é fuga, desejar a dor por vez pior... :D Sinta-se em casa por cá... beijo, menina! ;)

Elzenir Apolinário disse...

Francisco, sabemos que aprendemos mais pela dor que pelo amor, mas seria tão mais fácil aprender pelo amor. No entanto só crescemos doendo. Como disse Drummond:" Vivendo estamos para doer, estamos doendo." Bjs

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Beijão, Elzenir... quisera o aprendizado pelo amor fosse a via mais fácil [pelo menos a mais seguida, mais aceita...] :D

Ana Lucia Franco disse...

Francisco, é um muito corajoso e bonito!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Obrigado, Ana Lúcia, sempre bom ver você por aqui... forte abraço! ;)

Valéria disse...

Às vezes o melhor é optar pela dor.

BeijooO'

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Sometimes... ;)

Beijão, Valéria!

Bem-vinda e sinta-se em casa!

:D

ju rigoni disse...

A dor passa com a vida...

São belos os poemas que li hoje por aqui. É linda a poesia que mora em você.

Bjs, Francisco, e inté!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

O desejo do coração é que ela nunca passe em vão, sem deixar consigo as lições que nos oferta... ;)

Beijão, Ju! Seja bem-vinda!