The Lair of Seth-Hades: O LETES DO ESQUECIMENTO
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

domingo, 14 de março de 2010

O LETES DO ESQUECIMENTO



O LETES DO ESQUECIMENTO

Longe estou eu da certeza,
Eqüidistante está a pureza.
Prossigo eu a caminhar,
Por entre sonhos a vagar.
Pensamentos e colagens,
Estranhas paragens,
Tudo confusão!
Movo-me na impressão
Desse estranho guia
Que é a intuição...
Conversas com veladas vozes,
Ou mocos estarão meus ouvidos,
Que me traem feito algozes?!
Mas não esqueço os textos lidos!
E mesmo a trilha que assim percorro,
Parece-me previamente traçada,
Pois, quando à memória recorro,
Das letras, só vejo a imagem embaçada...
Que palavra por mais seca e direta
Não pode ser mostrada
Do Poeta a um poeta

Nessa estranha jornada?

 

Francisco de Sousa Vieira Filho

 

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 34.

 

ARTE: http://t.sundaybyebye.net/post/108142982/picapixels-9050251-lg-jpg 

27 comentários:

Luciana P. disse...

Lindos versos, e neste dia, O DIA NACIONAL DA POESIA, a minha homenagem a todos os meus amigos poetas.
Beios e bom domngo!

Wania disse...

Francisco

Nem um mergulho no rio do esquecimento consegue apagar a memória da poesia.
Está tatuada na pele!

Contemplei, abstrai e adorei!
Bjinhos

Allyne Araújo disse...

muito lindo!!!! gostei demais! bjos

Í.ta** disse...

qualquer palavra, né?
o poema permite justamente escarcarar a palavra.

admiro muito tua construção "versal" :)

abraço.

Angel disse...

Lindíssimos versos, Chico!

Zen disse...

Olá Francisco,jamais esqueceria de te homenagear nesse dia da Poesia.
Sempre lindos poemas!!!!Bjs.Sandra (Zen)

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Pensamentos, palavras, textos lidos, memórias....tudo misturado. Longe da certeza, da verdade, terei inventado tudo?
Gosto de me reconhecer.

Lara Amaral disse...

Aqui revelamos todas as palavras: de espírito para poeta, de poeta para entrega, de verso escrito para falado.

Também viajo, amigo =).

Beijos.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Ei, galera, problemas com a net por cá já há 4 dias [quase crise de absitnência rs], mesmo o poema de ontem postei da casa de um amigo - espero até meio-dia esteja td. solucionado... retorno e respondo a todos como se deve, além de postar poema novo... forte abraço!

;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Luciana, obrigado... confesso nem sabia fosse o dia da poesia... ;)

Bjão!

:D

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Beijão, Wania, e que o rio do esquecimento não nos permita esquecermos quem de fato somos quando acordarmos do outro lado... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Valeu, Allyne, beijão... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Valeu, Í.ta**... o mote do poema foi justo um sonho, em que eu encontrava com alguém [um camarada todo de branco, estranhamente vestido com roupas similares as de Santos Dummont rs..., e que me pedia pra escrever um poema quando acordasse - ele me mostrava o belíssimo poema numa página branca, quando acordei, ainda sonolento, lembrava tudo, nitidamente... corri pro papel e não saiu mais nada... quando despertei por completo a lembrança das palavras... :(

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Valeu, Angel, seja sempre bem-vindo... ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Obrigado, Zen, confesso nem sabia fosse o dia da poesia... obrigado! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Walkyria, foi em cheio, na mosca... quisera reconhecer-me, saber quem sou, quem fui, entre as sucessivas idas e vindas... Beijo!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Beijão, Lara, uma vez mais você me surpreende - você lê pensamentos?! Há pouco disse: o mote do poema foi justo um sonho, em que eu encontrava com alguém [um camarada todo de branco, estranhamente vestido com roupas similares as de Santos Dummont rs..., e que me pedia pra escrever um poema quando acordasse - ele me mostrava o belíssimo poema numa página branca, quando acordei, ainda sonolento, lembrava tudo, nitidamente... corri pro papel e não saiu mais nada... quando despertei por completo a lembrança das palavras... o 'espírito' me mostrou algo muito belo, belo mesmo, mas não pude lembrar, aí fiz esse poema pra não me frustrar... :(

Ava disse...

Fazer poesia é estar em constante estado de sonho, ou sonhos...
É estar com a alma e o coração prontos para recer a inspiração, seja apartir de um sonho, de uma alegria, de uma dor, ou de uma saudade...
Poetar é estar sempre levitando...


Beijos meus!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Poético isto mesmo o que disse, Ava... Levitemos... ;)

mdsol disse...

Ah! A palavra ...

Muito bem]

:))

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Yes, my dear lady, mdsol... ;)

Ianê Mello disse...

Francisco,
belíssima a foto!

"Que palavra por mais seca e direta
Não pode ser mostrada
Do Poeta a um poeta
Nessa estranha jornada? "

Muito lindo esse poema.

Há palavras que não conseguimos expressar ou talvez não encontremos a palavra certa para expressar um sentimento em certos momentos.
Só nos resta sentir...e só.

Fique bem, amigo.

Grande beijo.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Beijão, Ianê e obrigado...

Penso igual, se palavras são conseguimos encaixar, menos ainda expressar os sentimentos que por vezes ocultam sob o seu véu...

;)

Marcelo Novaes disse...

Francisco,



Parece-me que alguns não bebem do Letes a porção prescrita. Quando assim se dá, tornam-se [ou descobrem-se!] platônicos.







Abraços.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Justo, Marcelo, tocou na veia você também... reminiscências trazem alguns quando das muitas idas e vindas noturnas... :)

Lara Amaral disse...

Nossa, que legal!

Adorei saber. Esse tipo de sonho é comigo mesmo, rs.

Beijo.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Lara! Plagiando aqui um trecho do Iron Maiden: ...the dream is true... the dream is true... :D

Beijo, menina!

;)