The Lair of Seth-Hades: METALINGÜAGEM
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

domingo, 7 de março de 2010

METALINGÜAGEM





LIRA PERDIDA

Na página adiante, a fria alvura
É um mar de tão branca secura
Que por tal palavra me faltasse
Na letra ausente eu me afogasse

E tateio, adivinhando a tessitura
Se dela inda estivesse à procura
Qual se a mim mesmo buscasse
Num travo à língua, um impasse

É que falta a cor, se oculta a face
E o próprio verbo criador descura
Qual se do fiat lux se ausentasse

E clama a metalingüística lisura
Na folha maculada, em sua alvura
Que eu a mim mesmo edificasse

Francisco de Sousa Vieira Filho

['sede oleiros de vosso próprio barro.']
-----------------------------------------------
ATHENE NOCTUA*

Ah, poesia, linguagem caprichosa!
Do bom-ócio grego, o farto ventre
Dúbia e faceira, mansa e chorosa
Qual se nos achega quase sempre

Em sua dança geniosa não se curva
E se ao bel sabor o sentimento turva
Mal se presta a falar o que só pode
Cantar o coração em cifrado códice

Suas belas asas não deixa vergar
A quem só dela foge, se a pretende
Esforço vão, a vil noção conceituar

E em seus profundos olhos tende
Se co'a Filosofia alça vôo acúleo
A desbravar o horizonte cerúleo

Francisco de Sousa Vieira Filho

FONTE: VIEIRA FILHO, Francisco de Sousa. Lira Antiga Bardo Triste. Teresina - PI: Gráfica e Editoria O Dia, 2009. v. 500. p. 14.

* Athene Noctua era a coruja de Atenas, símbolo da Filosofia.

ARTE: www.williambennettgallery.com/artists/dali/pictures/large%20v2-DALI1162.jpg

20 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Onde está Deus? Ego, hic et nunc!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Aqui e agora talvez seja... Ele... já que o ontem é sólido [imutável, até onde saibamos]; e o amanhã é névoa... rs... :)

Forte abraço, meu caro Bardo!

Mateus Luciano disse...

O velho Chico e suas palavras
todas alinhadas
distribuídas ao longo do ano
nas linhas
presentes
fez som
um único som
isóscele
dito de tão alto que
só douto
teve sabor
erva enomel
Elísio ainda hospeda
hospedes
dentro de ti
percebes as anãs ali
briosas por ti.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Belíssimo, Mateus... obrigado...

:)

Lara Amaral disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lara Amaral disse...

Quando parece haver só a brancura, ainda há a textura, que em pouco tempo se suja da tinta mais pura da poesia.

Acho difícil seu papel ser alvo por muito tempo, vc escreve lindamente.

Beijo, bom domingo.

Carmen Eugenio disse...

Seu poema tem algo que nos acalenta e nos emociona, de tal maneira que nos faz encantar pelo poeta, pelo 'fazedor' dessa engrenagem de palavras de sonhos! Obrigada!!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Beijos mil, Lara... oxalá seja sempre assim [inspiração, motivação e momento não faltem]... a maioria das vezes posto textos do meu livro... o primeiro [Lira Perdida] tá fresquinho, foi de ontem... :)

Beijo!

:D

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Eu é que agradeço, Cármen... 'e pur si muove' a engranagem da poesia e das palavras e dos sonhos...

Beijos mil, menina!

;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

..não sei se Deus, contudo [e a despeito de tudo] edifica[-se] o poeta...

Forte abraço, Henrique!

:)

Í.ta** disse...

olá, francisco.

parabéns pelo blog, e pelas participações nos outros dois.

teus poemas são muito inteligentes e bem escritos.

abraço.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Valeu, Í.tá, também gostei dos espaços lá... seja bem-vindo...

Silvia Masc disse...

Francisco, para quem não foge da poesia, é um prazer vê-lo tirar a alvura do papel.

(ufa!! fiquei tensa,sem saber se teria uma definição para * Athene Noctua) rs Obrigada.

(Amanhã teremos as Garotas do calendário)
beijinho

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Ponho um monte de referências e por vezes esqueço de citar a origem / significado... doravante, vou tomar mais cuidado ;)

Beijão, Sílvia!

P.S.: tow cá imaginando as garotas do calendário rs...

Juliana Carla disse...

Olá Francisco

Pouco provável secará sua alma de monossílabas... Menos ainda de sílabas complexas! Aqui se tem fartura! Ganhe asas e voe mais alto!

Obrigada por estar no Braille.

Sigo-te!

Bjuxxx e xerooo

guru martins disse...

...ah,poesia
ah,ins(piração)
ah,su(peração)...

aquele abraço

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Oi, Juliana, seja bem-vinda por cá também... e obrigado por suas palavras... Beijão! ;)

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Piração de vez em quando rs... escrever é necessidade; é tal qual comer e beber... a gente faz pra respirar... pra poder viver nesse nosso mundo doido... :)

Forte abraço, Guru!

Marcelo Novaes disse...

Francisco,




"Mal se presta a falar o que só pode
Cantar o coração em cifrado códice"


O fato de ser oleiro do próprio barro evoca-nos [ou propende a nos evocar...] alguma clareza.









Abração.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Precisa análise, Marcelo... o Henrique também já cantou a pedra a seu modo... que mérito haveria se anjos, se perfeitos, se robotizados... perfectibilidade nos dá o norte, a busca, o rumo e o prumo e também nos confere parte na luz criadora... ;)

Forte abraço, Marcelo!