The Lair of Seth-Hades: NIETZSCHE TAMBÉM É RELIGIÃO
Arte: Meats Meier - http://beinart.org/artists/meats-meier/gallery/meats-meier-2.jpg
Presente do amigo Zorbba Baependi Igreja - artista plástico, poeta e um dos idealizadores da Revista Trimera de Letras e do Projeto Academia Onírica [poesia tarja preta].

LIRA ANTIGA BARDO TRISTE & LIRA NOVA BARDO TARDO

Galera, estou pondo uma conta PagSeguro à disposição, para quem [assumindo o risco por sua própria alma] tenha interesse em adquirir um de meus livros [Lira Antiga Bardo Triste ou Lira Nova Bardo Tardo]. O custo de cada exemplar é de R$ 10,00 + R$ 5,00 de frete. Valeu! :D

P.S.: a PagSeguro não fornece um sistema de cadastro de vários produtos, de modo que, quem efetue a compra, deve me enviar um e-mail [iarcovich@hotmail.com], ou mesmo me deixar 'comment' aqui mesmo num dos 'posts', dizendo qual exemplar deseja receber. Por hora, a forma de pagamento disponível é apenas a de boleto bancário. Amanhã já liberam pra cartão. ;)

Pag Seguro - compra dos livros

Carrinho de Compras

sexta-feira, 25 de abril de 2008

NIETZSCHE TAMBÉM É RELIGIÃO


NIETZSCHE TAMBÉM É RELIGIÃO
Pensei que só eu visse isto... ergueram um pedestal para Nietzsche e tão alto que a crítica, seja ela justa ou não, séria ou deturpada, não o atinge. Nietzsche adorava destruir ídolos, fizeram-no um, e um do tipo invulnerável.

Há razões fundadas pra se criticar Nietzsche – discordância óbvia de idéias, sua fase irracionalista (se assim podemos nos expressar), etc. Há quem diga até que ele sequer seja um filósofo, pois não há justificação racional da grande maioria de suas idéias (ainda que muitas sejam evidentes, ou, quando muito, falem mais ao íntimo que ao intelecto). Dizem-no filodoxo (um amigo das opiniões), não um filósofo (um amigo do conhecimento), a maioria de suas obras sendo tão-só aforismática, atendo-se a máximas, frases desconexas de um conteúdo geral, meras opiniões emitidas sem fundamentação alguma, o que já seria uma crítica válida, embora aquela aqui levantada seja de ordem algo diversa.

Admiro-o, embora eu mesmo seja um crítico feroz dele, ou pelo menos – em maior monta – do modo quase que religioso com que o tomam, colocando-o num pedestal onde a crítica (seja ela séria ou não, justa ou injusta) nunca chega. Transformaram Nietzsche num dogma. Assim dizem seus prosélitos: "é porque você não tem olhos de ver, nem ouvidos de ouvir; não leu direito; não compreendeu". E terminam com o argumento 'altamente' racional: "Nietzsche é para poucos" – uma evasiva e um subterfúgio rasteiro pra quem não tem como contra-argumentar com um mínimo de razão.

Ora, Nietzsche encerrou em seu pensamento o maior dos sofismas: "sou para o futuro, sou para poucos, sou póstumo". Brilhante! Quem não o aprecie ou dele discorde, excluído já fica, como quem não o entendeu. Sim, colhi muito que me aproveitasse em seu pensamento, não nego admiro-o muito – e talvez por isso encontre lastro para criticá-lo (por que será que ninguém ousa usar os golpes do martelo de Nietzsche contra o próprio Nietzsche?!) Ora, tornar um autor avesso a todo e qualquer tipo de crítica, fazer de suas idéias um berço inatingível, como 'verdade pronta' (coisa contra a qual ele mesmo combatia), é – via de regra – o modo que o vejo sendo propagado. E isto, sim, é um desrespeito para com ele!

Nietzsche declarou a morte de Deus, e fizeram-no o próprio. Criticar Nietzsche, ainda que com razões dadas, é mexer num vespeiro, num artigo de fé, e o artigo de fé que ele se tornou chega a ser quase que do tipo 'fanática', inadmitindo críticas (ainda que devidas). Santo e perfeito, ele está erigindo-se qual um deus. Depois ainda há os que aventam da promessa de ressuscitá-lo como o Dionísio redivivo.

Das brilhantes defesas que de Nietzsche já ouvi, esta é impagável: "ou não leu, ou não entendeu", tornando-o, assim, avesso a toda e qualquer crítica. Sim, porque tivéssemos entendido com ele concordaríamos... risos... e cegamente! Religião para você é só instituição?! Nietzsche é – sem embargo de juízo de valor – adorado, idolatrado, iconizado (logo ele que combatia ícones) risos... e se o é, isto não pode ser, de todo, creditado apenas a seus "seguidores", mas a ele mesmo, fazendo apôr um sofisma bruto no teor de suas obras: "sou para o futuro, sou póstumo, sou para poucos." – “Não leu! Se leu, não entendeu!" – Ah, não é pra ler é pra estudar... e se se estuda, como inviabilizar a crítica?! Mas aí dizem que devemos nos desprender de nosso olhar crítico ao ler Nietzsche, nos privarmos daquilo que talvez seja a única defesa que temos para as meias-verdades, tolices com pretensão de aceitação o que já seria no mínimo uma piada. Se é para, diante da obra de Nietzsche, proceder assim... bem, só posso concluir que isto é fazer de Nietzsche religião. E ainda terminam por dizer que Nietzsche é para ser “sentido” e não “compreendido”.

Como diria uma amiga: "nunca tive medo de Nietzsche, mas sempre terei dos Nietzscheanos."

FRANCISCO DE SOUSA VIEIRA FILHO [1]

Também disponível em:
http://www.portalodia.com/jornal/pages/pdf_04-11-2007_6_
20071103145430.pdf




[1] Francisco de Sousa Vieira Filho é advogado em Teresina-PI, militando na área trabalhista, professor de Filosofia Jurídica e Criminologia (FAESF – Floriano-PI), especialista em Direito Constitucional e mestrando em Direito pela Universidade Autônoma de Lisboa – UAL.

12 comentários:

Lux disse...

Nossa, finalmente uma crítica bem feita.

Vejo muitos criticando Nietzsche e suas idéias, mas a maioria não fundamenta e joga argumentos vãos. Gostei muito do seu texto.

Nietzsche tem sido o filósofo mais pop do momento, e isso aumentou muito, creio eu, depois do lançamento do livro "Quando Nietzche chorou" e do filme de mesmo nome. Depois disso muitos passaram a se dizer Nietzscheanos, mas poucos já leram algo dele. Isso é terrível.

Ele virou o ídolo que sempre repreendeu... em sua época mal foi reconhecido e acreditando ser póstumo, talvez imaginasse que viraria ídolo algum dia... será?

Parabéns pela crítica novamente!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Tudo o que tende a ser pop, torna-se duplamente perigoso... os que dizem terem passado a apreciá-lo, assim o fazem como uma extensa mancha de oléo no oceano, causam até uma grande impressão pelo todo que se apresenta, mas não possuem profundidade alguma... com Nietzsche está ocorrendo o mesmo... infelizmente...

Acredito que Nietzsche desejaria (preferiria) ser perseguido (leia-se: contestado, criticado, desconstruído) pelos seus seguidores, pois dizia que o profeta que não for perseguido por sua congregação não é digno de assim ser chamado...

Ítalo disse...

Muito bom, até que enfim vejo alguém críticar Nietzsche, sempre o colocam em um altar.

Como diz um vídeo, muitos leem Nietzsche, discutem Nietzsche, sem considerar que Nietzsche era apenas só um macaco.

"Nietzsche é pop, Nietzche é pop, o pop não poupa ninguem"


Ah, obrigado por adicionar meu blog "Além da Caverna"

V's disse...

Terminologias. Definições. Separações. Epistemologias. Mas onde está a essência?

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

E Nietzsche lá acreditava em essência?! rs... O perspectivismo, o niilismo ativo e tantas outras proposições mais, nada mais são que formas muito "elaboradas" de relativismo...

( ) disse...

Eu não vi no texto uma crítica a Nietzsche, vi uma crítica aos seguidores que o tornam ídolo.

"sou para o futuro, sou póstumo, sou para poucos." certo, várias vezes afirmou isso, mas não está a dizer "idolaterem-me", está a dizer uma coisa que é, provavelmente, verdade. E ele próprio, no "Assim falava Zaratustra" diz aos "seguidores" que não o elevem, que tal é errado. Se for preciso eu peocuro o texto em que tal é dito, mas talvez não seja necessário para quem leu com certa atenção.

Este texto é uma crítica aos seguidores de Nietzsche, uma crítica correcta, com a qual concordo. Mas fazer uma crítica a Nietzsche é trabalho de outra ordem, e não é este. Gostava, porém, de ler uma Boa crítica ao que Nietzsche trouxe.

A propósito, acho a "Genealogia da Moral" um texto excelente e elucidativo para quem quer compreender, no geral, as suas ideias.


Fábio.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Quando afirmei haver razões outras para se criticar Nietzsche, citei boas razões para fazê-lo: discordância óbvia de suas idéias e proposições (porque não-fundamentadas), sua fase irracionalista (se assim podemos nos expressar - embora seja claro que em dadas obras haja aspectos 'non sense'), havendo quem diga até que ele sequer seja um filósofo, pois não há justificação racional da grande maioria de suas idéias (ainda que muitas sejam evidentes, ou, quando muito, falem mais ao íntimo que ao intelecto). Dizem-no 'filodoxo' (um amigo das opiniões), não um 'filósofo' (um amigo do conhecimento), a maioria de suas obras sendo tão-só aforismática, atendo-se a máximas, frases desconexas de um conteúdo geral, meras opiniões emitidas sem fundamentação alguma, o que já seria uma crítica válida. Contudo, centramo-nos noutro aspecto: Nietzsche nunca falou literalmente os dizeres 'sou para o futuro, sou póstumo, sou para poucos', embora isto se encontre mais que explícito em sua obra. Se a crítica se centra nos seguidores que o tornaram ídolo, não menos o é a ele mesmo, por tais "pontas-soltas" na obra, dando margem a tais concepções... Uma coisa seria criticar Jesus por matarem em seu nome quando ele sempre pregou o "amai-vos uns aos outros" e o "oferecei a outra face", seria absurdo... agora, Nietzsche, de fato, deixou mais do que margem a que o seguissem do modo como comumente se vê fazerem...

( ) disse...

Vejo uma crítica à forma mais que ao conteúdo. Não ha grandes referências às ideias de Nietzsche. E mesmo quanto à forma, um homem que faz um trabalho que busca a verdade, muitas vezes usa a escrita como auxiliar de compreensão.
Não consigo mesmo ver culpa alguma nas suas frases que parecem pretensiosas, porque algumas parecem-me de facto verdadeiras e ele não tinha a falsa modéstia de as reconhecer, erro maior parece-me ser culpar Nietzsche por certos cegos q o seguem por se impressionarem com pontas que Não são soltas.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Bem, se acha que é mero vício de forma lançar proposição qualquer sem fundamento algum que a secunde e tomá-la por aceitável, digna de senso, válida e passível de ser imposta como argumento válido, aceito e racional... nada há que se fazer... a propósito, não haveria coisa contra a qual Nietzsche mais seria avesso que não a idéia de verdade. Não poucas são as vezes em que rechaçou tal concepção, sendo ele mesmo relativista (e precisamente niilista, ainda que alguns o tomem por niilista ativo, seja lá o que isso for ou o que queiram dizer com isso, ou ainda seja possível adotar forma diversa de niilismo - Já diria Aristóteles: ao cético, só cabe calar. Ora, se intenta argumentar alguma coisa é que quer fundamentar seu ceticismo, contudo, o ceticismo é, em si mesmo, algo avesso ao fundacionismo - ou à idéia de que haja fundamentos para as coisas, ou ainda indiferente a tais fundamentos). Só pela deixa, ele (Nietzsche) afirma "não há fatos, só interpretações", olvidando seja esta sua afirmação uma mera interpretação também, portanto, passível - ela mesma - de ser contraditada... e afirma sem tecer fundamento algum para o que afirma, contudo, tomando a proposição como algo defensável de "per si"... por isso há autores de sobejo que o tomam por "filodoxo", uma vez que a mais das vezes a proposição de que lança mão é mera opinião (doxa), sem fundamento algum...

( ) disse...

Eu vejo aqui um olhar tão simplista e diminuidor de uma obra tão vasta e trabalhosa q é a dele. Nietzsche acreditava que se devia acreditar, ter uma crença, opondo-se ao niilismo da época.
Não peço que lhe ergam um pedestal, mas fico chocado ao ver gente a diminuir de tal forma o trabalho de um Filósofo tão interessante quanto este, que traz ideias tão novas e radicais, e mais ainda racionais e lógicas, ainda que difíceis de aceitar, por serem opostas àquilo que queremos ouvir, já que são ideias que abalam as estruturas. "A genealogia da moral" não é um trabalho fabuloso no campo da filosofia? E o "Assim falava Zaratustra"? Bem sei que diz muitas coisas que preferíamos não saber, para continuar esta vidinha numa certa artificialidade que ele desmascara...

Será Heidegger, esse grande pensador do séc. XX, meio louco que tenha escrito 3 vastos volumes debruçado sobre os escritos de Nietzsche?

Mais, acho normal certos paradoxos e frases incompreensíveis em Nietzsche, porque o trabalho dele foi um trabalho de raízes e estruturas, escrito numa época anterior à nossa. Construiu uma obra que abala quem a lê hoje ainda, como abalaria quem a escreveu no final do séc. XIX? Ele era um homem. Acho a obra dele de grande qualidade e radicalidade, como a boa Filosofia nos acostuma, acho-a grande, interminável para uma vida até, e por gostar gosto de ler e ouvir críticas a Nietzsche. Mas tenho q admitir que neste texto não encontro uma grande crítica ao conteúdo da obra. Vejo mais críticas aos fanáticos (óptimo!) e vejo críticas à forma, o que pode tocar de certa forma o conteúdo. Mas aos conteúdos trazidos por Nietzsche vejo pouca crítica.

Só mais uma coisa, a procura de uma verdade, mesmo que o pensador não se acredite na verdade, é algo que está sempre por baixo de um trabalho filosófico, a menos que não se considere Nietzsche um filósofo, mas um amigo das opiniões. Nietzsche um amigo das opiniões?? Nem sei que dizer.

Obrigado pelas respostas.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Também apreciei bastante suas intervenções e digo de já que seja bem-vindo a este espaço. E a despeito de discordarmos (não creio num Nietzsche infalível e perfeito, como você mesmo diz - era humano - como também não uso vendas à feroz crítica por ele habilmente tecida à nossa "natural" tendência a nos aferrarmos em ilusões. Lembro que ele chegou a dizer que escrevia para homens cultos que não o compreendiam, passando então a sentir-se mais feliz e mais compreendido num jardim com crianças, porque escrevia para crianças, para quem não há obstáculo ao conhecimento como termos quais 'isto é impossível', 'não se pode abordar tema tal ou qual', 'isto é tabu' etc... ainda não li toda a obra, mas estou quase... tenho lido muita literatura-entretenimento nos últimos tempos (Sandman entre eles - risos) e estudos e trabalho também tem ocupado o tempo que poderia ser melhor dispensado... seja como for, ainda vejo em algumas de suas obras (sobretudo as aforismáticas), qual como no exemplo que citei em linhas acima, como filodoxo... Li em algum lugar, me falha a memória quem tenha dito, mas me parece prudente que Filosofia não seja o campo dos palpites, que Filosofia seja algo diverso da filodoxia; Filosofia não é o campo das opiniões, na filosofia não há lugar para opinião, senão como prévia à incursão exploratória. Quando se diz "qual é a sua opinião" não se está mais fazendo filosofia, mas filodoxia. Filosofia tem que ser demonstrada, fundada; se não se pode demonstrar então tudo está em suspenso. Há necessidade de se continuar investigando até que se chegue a uma demonstração rigorosa. Até lá só resta filodoxia - por mais digna de senso que a opinião seja, é opinião, a mais das vezes afeita ao senso comum, não saber rigoroso.

( ) disse...

Obrigado

Sim, mas a desconstrução dos valores, a vontade do poder, até mesmo a difícil e incabada teoria do eterno retorno não podem ser desprezadas. O que me parece é que há muito sumo em Nietzsche, que não podemos diminuir chamando-lhe um homem de meras opiniões, pois no íntimo e no concreto todos sentimos e sabemos que ele era mais que isso.

Li também os comentários feitos a este texto que escreveu, acho-os pouco fundamentados no geral, e queria só dizer em resposta a uma pessoa que questionou onde estaria então a essência? Existe uma essência para Nietzsche. Sempre presente. A Vontade de Poder.

ateserecodosilencio.blogspot.com - é o meu blog, é novo, seja também bem-vindo.